Cabeça Livre

O isolamento social está prejudicando toda uma geração de crianças

Crédito da imagem: Janko Ferlič / Unsplash

Crédito da imagem: Janko Ferlič / Unsplash

Ao manter crianças saudáveis ​​em quarentena, estamos cruelmente privando-as do brincar livre presencial e da interação social que são essenciais para seu desenvolvimento e bem-estar emocional.

Eu li um artigo de aconselhamento na Slate no qual uma mãe de uma filha de quase 5 anos escreveu para expressar preocupação por sua filha não ter visto nenhum amigo em 5 meses, desde que os lockdowns contra a Covid-19 começaram. Ela disse:

Por causa da Covid, meu marido e eu decidimos pular [a creche] completamente e ensiná-la nós mesmos tudo o que ela precisa saber antes da pré-escola. Isso não me preocupa academicamente, mas estou preocupada com seu desenvolvimento e a perda da interação social que ela iria experimentar.

O colunista de conselhos respondeu que a mãe não deveria se preocupar com o isolamento social da sua filha, dizendo:

Ela faz parte de toda uma geração de crianças de 5 anos em quarentena. Vai levar um tempo para ela se recuperar assim que voltar à sociedade, claro — mas todo mundo vai levar um tempo.

Essa resignação às restrições governamentais em curso, distanciamento social sem fim, leis que obrigam o uso de máscaras e restrições de viagem — mesmo com o vírus diminuindo nos EUA — está prejudicando nossa saúde social e econômica, e pode ser particularmente problemática para crianças que estão separadas dos seus colegas.

Embora algumas evidências sugiram que os jovens estão se saindo bem fora da escolaridade forçada, com menos estresse e ansiedade induzidos pela escola, a mesma pesquisa indica que crianças e adolescentes estão sentindo muita falta dos seus amigos. O isolamento social parece estar cobrando seu preço. Com a maioria das grandes escolas urbanas planejando o aprendizado remoto apenas neste outono, o isolamento provavelmente continuará para muitas crianças — a menos que os pais intervenham para aliviar essa solidão.

Uma matéria no The Wall Street Journal expôs o impacto do isolamento social relacionado à pandemia em crianças e adolescentes:

“De todas as faixas etárias, este vírus é provavelmente mais devastador socialmente para os adolescentes do que qualquer outro grupo. Eles estão entediados e eles estão solitários”, diz Joseph P. Allen, professor de psicologia da Universidade da Virgínia.

Outra matéria do Journal reforçou essas consequências não intencionais dos lockdowns e do distanciamento social nos adolescentes, e em especial nas meninas:

As meninas adolescentes já estavam experimentando níveis recordes de solidão, ansiedade e depressão antes da pandemia, de acordo com Mary Pipher, psicóloga clínica e autora do livro Reviving Ophelia: Saving the Selves of Adolescent Girls… “Todas as coisas que um ano atrás estavam aumentando a depressão das meninas foram exacerbadas pela pandemia”, [disse] a Dra. Pipher”.

Crianças precisam de outras crianças

Independentemente de você achar que as escolas devem ou não reabrir para aulas presenciais, a realidade é que as crianças precisam estar cercadas de outras crianças para brincar, socializar e aprender.

Elas não precisam que essa brincadeira, socialização e aprendizado aconteçam nas escolas.

Na verdade, elas podem encontrar brincadeiras sociais e aprendizado muito mais autênticos e satisfatórios fora de uma sala de aula convencional. Peter Gray, professor pesquisador de psicologia no Boston College, escreveu extensivamente sobre a importância das brincadeiras sociais não estruturadas na infância para a saúde e o bem-estar das crianças. Em uma entrevista à NPR, Gray disse:

Brincar é crucial para o desenvolvimento das crianças. E muito da minha pesquisa mostra que nas últimas décadas nossos filhos têm sido muito privados de brincar. Eles passam tanto tempo na escola, tanto tempo fazendo aquele dever de casa depois da escola, tanto tempo em atividades dirigidas por adultos que não são totalmente lúdicas — brincar é atividade que as crianças desenvolvem elas mesmas — que as crianças assumem o controle de si mesmas e seus filhos aprendem a ser independentes e resolver seus próprios problemas.

(para saber mais sobre isso, consulte o livro de Gray: Free to Learn: Why Unleashing the Instinct to Play Will Make Your Children Happier, More Self-Reliant, and Better Students for Life.)

Se elas já eram privadas de brincar antes da pandemia, então muitas crianças podem estar mais privadas de brincar agora, já que ficaram afastadas dos seus colegas por meses. Gray documentou a correlação entre o declínio das brincadeiras e o aumento dos transtornos mentais na infância e na adolescência. Isso é algo que é profundamente preocupante agora que as crianças, e especialmente os adolescentes, estão ainda mais distantes dos seus colegas.

Embora a tecnologia tenha sido um salva-vidas para todos nós durante a pandemia, ela também consumiu uma parte muito maior da vida das crianças. Um relatório divulgado pelo Hospital Infantil de Chicago descobriu que 63% dos adolescentes estão usando mídias sociais mais do que antes da pandemia, e mais da metade dos seus pais indicam que o uso de mídias sociais está tendo um impacto negativo nos seus filhos.

Talvez mais surpreendente, a pesquisa descobriu que 68% dos pais dizem que as mídias sociais estão interferindo na capacidade de seus filhos adolescentes de ter interações sociais normais. As preocupações sobre o uso de mídias sociais e seu impacto na saúde mental e social dos adolescentes eram muito difundidas antes da pandemia, mas isso pode ser particularmente preocupante agora, à medida que o uso da mídia social aumenta, enquanto muitos adolescentes permanecem separados dos seus amigos.

A quarentena contínua de crianças e adolescentes saudáveis ​​é equivocada e as priva das brincadeiras infantis e da interação social presencial que são essenciais para seu crescimento e desenvolvimento. Jon Miltimore, da FEE, escreveu um ótimo artigo dizendo exatamente isso, e fornecendo dados internacionais sobre os baixos riscos da Covid-19 em crianças. Os riscos do vírus para a saúde das crianças podem ser pequenos, mas os riscos para a saúde mental e emocional das crianças decorrentes da separação forçada dos seus colegas não são. Miltimore escreve:

A melhor evidência científica que temos mostra que as crianças têm o mínimo a temer da Covid-19. Como aponta o CDC, a gripe comum é muito mais perigosa para as crianças do que a Covid-19. Uma sociedade que priva as crianças da liberdade básica de se reunir para brincar, aprender, explorar e socializar comete com elas uma grave injustiça que resultará em muito mais mal do que bem. Felizmente, temos ampla evidência e exemplos da vida real que mostram que os custos de colocar crianças saudáveis ​​em quarentena superam em muito os benefícios.

A OCDE divulgou um relatório detalhando os danos globais que a resposta à pandemia está infligindo à saúde e ao bem-estar social e econômico das crianças, especialmente as crianças pobres. Sua recomendação para combater esses efeitos prejudiciais é adicionar mais intervenções e regulações do governo, particularmente em serviços sociais, saúde e educação.

Mas adicionar mais camadas de envolvimento do governo para consertar os problemas criados pelas políticas governamentais de lockdown coloca curativos caros em lesões que poderiam ser aliviadas com o simples afrouxamento dos lockdowns.

O que os pais podem fazer?

Então, o que os pais podem fazer? Embora possam não ser capazes de suspender as ordens do governo, os pais podem suspender algumas de suas práticas de distanciamento social auto-impostas para ajudar seus filhos e adolescentes a evitar o isolamento contínuo e as consequências prejudiciais que podem surgir por serem desconectados dos seus colegas.

Tome medidas para conectar suas crianças com outras crianças para dias de brincadeiras e interações sociais, e encoraje crianças mais velhas e adolescentes a entrar em contato com seus amigos para organizar encontros pessoais.

Se as escolas não estiverem abertas para aulas presenciais, considere a criação de um “pod pandêmico” para jogos e aprendizagem em grupo consistentes, e incentive os adolescentes a se reunirem para pequenos grupos de estudo presenciais e co-aprendizagem.

Resista ao insidioso controle cada vez maior do governo sobre a vida familiar e questione os políticos e especialistas que insistem em dizer a você, e especialmente a seus filhos, para ficar em casa.

Autora: Kerry McDonald

Kerry McDonald é Senior Education Fellow na FEE e autora do livro Unschooled: Raising Curious, Well-Educated Children Outside the Conventional Classroom (Chicago Review Press, 2019). Ela também é professora adjunta do Instituto Cato e colaboradora regular da Forbes. Kerry tem um Bacharelado em Artes (B.A.) em Economia pelo Bowdoin College e um Mestrado em Educação (M.Ed.) em Políticas de Educação pela Universidade de Harvard. Ela mora em Cambridge, Massachusetts, com o marido e quatro filhos. Você pode se inscrever para receber a newsletter semanal dela sobre paternidade e educação (em inglês) aqui.

Gostou? Que tal compartilhar?

Comentários

Sobre

Propagando ideias de liberdade.

Anúncio

Apoie

Ajude este site tornando-se um patrocinador, agradeço qualquer contribuição!

Padrim

Padrim