Cabeça Livre

Como estou respondendo à tecno-autocracia australiana

A Internet e os dispositivos usados ​​para acessá-la estão cada vez mais sendo usados ​​para monitorar e controlar, em vez de criar. Mas há uma solução.

No mês passado, o governo da Austrália introduziu um novo aplicativo de monitoramento de cidadãos em prisão domiciliar devida à Covid-19. O aplicativo usará uma combinação de tecnologias de geolocalização e de câmera para garantir que os cidadãos estejam onde deveriam estar.

O aplicativo enviará mensagens aos cidadãos e aguardará uma resposta.

“Não dizemos a eles com que frequência ou quando, de forma aleatória, eles devem responder em 15 minutos”, explicou o premier australiano Steven Marshall.

Os defensores do aplicativo argumentam que esse é apenas um substituto ao atual plano de realocação, onde os cidadãos australianos são obrigados a ficar em quarentena longe de suas casas.

No entanto, os críticos apontam que isso estabelece um precedente novo e perigoso de cidadãos sendo monitorados por sua própria tecnologia, completa com tecnologia de reconhecimento facial. O próprio Dan Sanchez da FEE aponta:

Orwell só não previu que as teletelas do Grande Irmão caberiam nos nossos bolsos e estariam conosco em todos os lugares.

Essa não foi a única política de tecnologia que o governo australiano aprovou recentemente. Um projeto de lei de vigilância australiano agora permite que a polícia acesse os dados do telefone, modifique o conteúdo do telefone, exclua os dados e assuma o controle de contas de mídia social de suspeitos de crimes.

Essa nova expansão do poder do governo ilustra uma tendência que está se desenvolvendo em todo o mundo. A Internet, que já foi o Velho Oeste do século 21, e os dispositivos usados ​​para acessá-la estão cada vez mais sendo usados ​​como uma ferramenta para monitorar e controlar, em vez de criar.

Retornando ao Velho Oeste

Não está claro se os avanços tecnológicos levarão à liberdade política ou serão aproveitados pelos estados para um controle mais totalitário. No entanto, você não precisa aprender a programar ou se envolver em ações políticas para isolar sua liberdade de tais formas de controle. Em vez disso, considere esta proposta modesta.

Nas palavras de Tyler, the Creator, “simplesmente saia da tela”.

Quando li pela primeira vez sobre o novo aplicativo da Austrália, em vez de ficar chocado com a natureza orwelliana da política, eu ri. A ideia toda era absurda para mim porque, se eu fosse um australiano, não seria capaz de obedecer, mesmo se quisesse. Aqui está a lista de “aplicativos” no meu telefone:

  1. Telefone
  2. Alarme
  3. Calculadora
  4. GPS
  5. Música
  6. Podcasts

Esses são todos os aplicativos disponíveis. Sem câmera. Sem navegador. Eu abandonei meu smartphone há um ano e comprei o minimalista Light Phone II.

Light Phone II: um celular minimalista, sem navegador, nem redes sociais.

Light Phone II: um celular minimalista, sem navegador, nem redes sociais.

Por que? Os motivos pessoais eram simples. Senti que meu telefone me distraía das pessoas ao meu redor, e não achava necessário ter um computador no bolso – especialmente um que é projetado para aumentar meu tempo de uso.

Também acredito que agora é um momento importante para um certo grau de secessão tecnológica. Está se tornando cada vez mais claro que os atores governamentais, estrangeiros e domésticos, estão alavancando relações de clientelismo com empresas (aparentemente) privadas para monitorar os cidadãos.

Políticos começaram a trabalhar explicitamente com empresas de mídia social para banir propagadores de “desinformação”, apenas para depois admitir que a notícia era plausível ou verdadeira o tempo todo (como aconteceu com a “teoria da conspiração” do vazamento do laboratório).

Análises forenses são feitas em históricos de comentários online para aproveitar qualquer oportunidade de tirar comentários anteriores fora do contexto para usar como munição em disputas políticas. A Internet está se transformando do Velho Oeste em um convento religioso (sem belas janelas vitrais).

Existe um Velho Oeste lá fora, no entanto. Literalmente lá fora. Em sua vida cotidiana com membros da sua família, comunidade, igreja e local de trabalho, não há mineração de dados nem shadow bans. Não há aplicativos instalados nos seus livros físicos que exigirão uma resposta dentro de 15 minutos.

A resposta mais comum a essa abordagem pode ser a crítica de que um governo poderoso o suficiente poderia simplesmente me fazer carregar um iPhone. Isso é verdade até certo ponto, mas considere o que acontece com o custo de implementar vigilância com tecnologias smart em uma sociedade amplamente alienada da tecnologia. À medida que a onipresença da tecnologia diminui, o custo de implementar uma tirania tecnológica aumenta.

Não estou alegando que todos ficariam melhor com fogueiras de tecnologia. Nem acho que todo mundo deveria comprar telefones burros; não sou um ludita. Mas a questão é que, à medida que nós, como sociedade, ficamos menos apegados às nossas tecnologias smart, torna-se mais caro para o estado utilizá-las como ferramentas de controle.

Secessão Espiritual

Meu afastamento da tecnologia vai além do meu telefone. Não é segredo que o grande “campo de batalha” político do nosso tempo existe nas redes sociais. O último presidente norte-americano existia mais no Twitter do que no mundo físico, muitas vezes era isso que parecia para muitas pessoas.

Quando me livrei do meu smartphone, também apaguei minha presença nas redes sociais por completo. Percebi que o mundo se tornou um lugar menos contencioso. Quando você se afasta da tela, você se afasta do conflito. Sair do campo de batalha político moderno é a secessão espiritual, e você se tornará mais livre por isso.

Crédito da imagem: jplenio / [Pixabay](https://pixabay.com/images/id-4181093/)

Crédito da imagem: jplenio / Pixabay

Alguns podem argumentar que essa decisão é desistir de vencer a batalha por qualquer causa política que lhes seja importante, mas eu tenho um entendimento muito diferente. Quando indivíduos que lutam pela causa da liberdade, por exemplo, se engajam com o regime vigente, eles dão mais apoio ao regime do que à sua própria causa.

Para entender por quê, consideremos um exemplo do livro de ficção distópica, Eumeswil.

Eumeswil conta a história de Martin, um tipo único de herói chamado de Anarque (não é um anarquista), cujo objetivo é permanecer livre sob um estado totalitário em um país em ruínas onde o niilismo e o cinismo roubaram a beleza da língua, religião e aprendizado.

A busca por liberdade de Martin não envolve oposição ao governante totalitário, o Condor. Em vez disso, ele reconhece que sua liberdade espiritual existe independentemente do ambiente político. Ele explica: “A própria medida [do Anarque] é suficiente para ele; a liberdade não é seu objetivo; é sua propriedade.” Na verdade, Martin pode ser mais bem compreendido em contraste com um oponente do Condor: Zerrwick.

Zerrwick é um apoiador do governo autoproclamado liberal que existia antes de Condor assumir o poder – os Tribunos. Zerrwick escreve para um jornal da resistência underground. No entanto, Zerrwick definiu sua existência em relação a seu inimigo e perdeu toda a liberdade de pensamento no processo.

“O que quer que Zerrwick pense ou escreva, ele sempre se refere ao Condor. Isso será assim mesmo se ele sobreviver ao Condor; ele continuará sendo o tópico de Zerrwick por décadas. Zerrwick se tornaria então um necrófago. O perseguidor e o perseguido são sempre feitos um para o outro.”

Da mesma forma, quando eu argumentava nas redes sociais, energizava o debate político, convenci muito poucas pessoas (ou mesmo ninguém) e sacrifiquei minutos (ou horas) que poderiam ter sido usados ​​para melhorar minha família e comunidade local com a liberdade que eu possuo. Não estou afirmando que convencer as pessoas é uma tarefa impossível, apenas que o meio de responder aos tuítes de um estranho frequentemente custa mais do que benefícios muitas vezes inexistentes.

Desde então, recriei contas nas redes sociais, mas as uso estritamente para compartilhar meu trabalho e enviar mensagens para amigos. Não sacrifico mais minha liberdade para fornecer energia a um debate político além da minha influência. Sem um telefone conectado a eles, não consigo acessá-las muito, de qualquer forma.

Quando a temperatura política aumenta, parece que há duas opções. Você pode gritar com outras pessoas em uma sala quente e aumentar a temperatura, ou sair para caminhar e usar sua propriedade para melhorar as coisas que você realmente pode controlar. Para mim, a separação espiritual da sala é a resposta clara. Meu conselho é: aceite a posse da sua liberdade.

Autor: Peter Jacobsen

Peter Jacobsen é Professor Assistente de Economia na Universidade de Ottawa e Professor Gwartney de Educação Econômica e Pesquisa no Gwartney Institute. Ele recebeu seu PhD em Economia pela Universidade George Mason e obteve seu bacharelado pela Southeast Missouri State University. Seu interesse de pesquisa está na interseção entre economia política, economia do desenvolvimento e economia da população.

Tradutor: Cabeça Livre

Esse texto é uma tradução da matéria originalmente escrita por Peter Jacobsen em 13 de outubro de 2021 para a Foundation for Economic Education (FEE, “Fundação para Educação Econômica”).

O texto original, em inglês, publicado sob a licença CC BY 4.0, pode ser conferido em:

Gostou? Que tal compartilhar?

Comentários

Sobre

Propagando ideias de liberdade.

Anúncio

Apoie

Ajude este site tornando-se um patrocinador, agradeço qualquer contribuição!

Padrim

Padrim