Cabeça Livre

O que chamam de teoria da conspiração? — parte 2

O rótulo de teoria da conspiração é aplicado pelas autoridades epistêmicas, e notavelmente pela mídia tradicional, como ferramenta de propaganda. Descubra como aqui.

Crédito da imagem: Gerd Altmann - [Pixabay](https://pixabay.com/illustrations/democracy-signpost-sign-direction-1536654/)

Crédito da imagem: Gerd Altmann - Pixabay

Na Parte 1, contrastamos os populares conceitos errados sobre os chamados “teóricos da conspiração” com a pesquisa demográfica bem fundamentada feita sobre os indivíduos que, coletivamente, receberam esse rótulo pejorativo. A pesquisa demográfica revela que não existe tal coisa como um grupo identificável de pessoas que possam ser legitimamente chamadas de “teóricos da conspiração”.

A pesquisa também não encontra provas credíveis de que pessoas rotuladas como “teóricos da conspiração” sejam propensas a ter opiniões extremistas ou a ter problemas psicológicos subjacentes ou a representar uma ameaça à democracia. Essas alegações são todas mentiras dirigidas contra qualquer pessoa que questione o establishment e o poder que ele acumulou.

Observamos que o cientista político Joseph Uscinski, que talvez seja o principal cientista no campo da pesquisa da “teoria da conspiração”, citou o trabalho do filósofo Neil Levy como um “padrão simples e consistente” pelo qual acadêmicos poderiam “demarcar entre teoria da conspiração e conspiração” (real ou “concreta”).

O “padrão simples e consistente” do professor Levy foi descrito pela primeira vez em seu artigo Conhecimento Radicalmente Socializado e Teorias da Conspiração. Nele, ele apontou que “conspirações são uma característica comum da vida social e política, tão comum que recusar a acreditar na sua existência nos deixaria incapazes de compreender os contornos do nosso mundo”. Levy propôs, portanto, que os acadêmicos precisam de uma forma de diferenciar entre a aceitação racional de conspirações reconhecidas e as alegações supostamente irracionais feitas por pessoas que suspeitam de conspirações que não foram oficialmente aprovadas para discussão.

Levy sugeriu que “crentes responsáveis ​​deveriam aceitar explicações oferecidas por autoridades epistêmicas devidamente constituídas”. Como explicamos na Parte 1, ele definiu as autoridades epistêmicas como:

[…] a rede distribuída de coletores e testadores de declarações de conhecimento que inclui engenheiros e professores de política, especialistas em segurança e jornalistas […]

Ao listar “jornalistas” como autoridades epistêmicas, Levy se referia quase certamente a jornalistas que trabalham na mídia tradicional controlada pelo Estado ou por empresas, e não a jornalistas de meios de comunicação independentes, que são frequentemente rotulados como teóricos da conspiração.

A mídia independente é amplamente definida como:

[…] meios de comunicação livres de influência do governo ou de outras fontes externas, como empresas ou pessoas influentes.

Da mesma forma, na opinião de Levy, apenas os cientistas e engenheiros “certos” são bem-vindos como “autoridades epistêmicas”. Por exemplo, ele afirmou categoricamente:

Poucos intelectuais responsáveis ​​rejeitam a explicação do 11 de Setembro que cita as ações conspiratórias de um grupo de terroristas sob a direção de Osama Bin Laden. […] a maioria de nós tem poucas dúvidas de que isso é verdade.

O Dr. Leroy Hulsey, professor e chefe do departamento de Engenharia Estrutural da Universidade do Alasca Fairbanks, agora aposentado, liderou um estudo de vários anos no qual ele e sua equipe de engenheiros PhDs examinaram o colapso estrutural do World Trade Center 7 (WTC 7). As conclusões a que chegaram no seu relatório revisado por pares contradiziam completamente a narrativa oficial do 11 de Setembro. Parece improvável que o Prof. Levy consideraria o Dr. Hulsey um intelectual responsável ou uma “autoridade epistêmica”.

No seu artigo, Levy opinou que “teóricos da conspiração” alegadamente irracionais poderiam ser identificados em virtude do fato de discordarem das autoridades epistêmicas devidamente constituídas. Portanto, afirmou ele, seus argumentos e quaisquer evidências que apresentassem deveriam ser rejeitados. Ele escreveu:

Simplesmente saber que uma explicação apresentada conflita com a história oficial (onde, mais uma vez, as autoridades relevantes são epistêmicas) é suficiente para rejeitarmos racionalmente a alternativa.

Mas não há nada de “racional” em rejeitar uma explicação simplesmente porque ela é oferecida por pessoas de quem você discorda.

Presumivelmente, tal como Levy, Uscinski considera-se uma “autoridade epistêmica” no campo da pesquisa das teorias da conspiração. Assim, não é surpreendente que, à luz do “padrão simples e consistente” de Levy, Uscinski tenha concluído:

[…] autoridades epistêmicas adequadamente constituídas determinam a existência de conspirações. […] Se as autoridades competentes dizem que algo é uma conspiração, então é verdade; se disserem que é uma teoria da conspiração, então provavelmente é falsa.

Em outras palavras, as narrativas “oficiais” são consideradas verdadeiras por padrão, e qualquer coisa que as questione é, por padrão, uma “teoria da conspiração”. O termo significa para outros intelectuais – que não questionam os pronunciamentos do Estado – que evidências que potencialmente minam narrativas oficiais são, por definição, falsas. Essa conclusão é, obviamente, um monte de jargões sem sentido e falaciosos.

Infelizmente, o rótulo de teoria da conspiração é tão amplamente aplicado hoje em dia que pegou. A mídia tradicional, em particular, o implantou com sucesso como ferramenta de propaganda. Simplesmente proferindo as palavras “teoria da conspiração”, a mídia tradicional convenceu o público a ignorar toda e qualquer evidência que questione o poder.

Aqui está um exemplo. Após graves acusações de violação e má conduta sexual apresentadas contra o comediante, autor e comentador político Russell Brand, a mídia tradicional imediatamente explorou a situação criticando as opiniões de Brand e de todos que as partilhavam.

A BBC publicou o artigo de Rachel Schraer, Russell Brand: como o comediante construiu sua audiência no YouTube com base em meias verdades apenas quatro dias depois que as acusações foram reportadas pela primeira vez, entre outros canais, pela BBC.

O parágrafo de abertura do artigo diz:

A primeira vez que Russell Brand realmente mergulhou na água das teorias da conspiração, no início de 2021, o efeito foi rápido – um canal do YouTube cujos vídeos normalmente recebiam cerca de 100.000 visualizações foi subitamente visitado por mais de um milhão de pessoas. Isso lhe rendeu uma nova fonte de renda e um novo exército de fãs.

Rachel Schraer

Rachel Schraer

Dizem-nos que Brand discute “teorias da conspiração”. Este é um sinal social codificado de Schraer e da BBC para os seus leitores e audiência de que tudo o que Brand diz deve ser desconsiderado sem examinação – incluindo qualquer evidência que ele possa citar. Isso não deveria ser feito por nenhuma outra razão exceto que Schraer e BBC rotularam Brand de teórico da conspiração.

Além disso, a BBC classifica as pessoas que compartilham as opiniões de Brand como teóricos da conspiração que deveriam ser igualmente ignorados.

Ademais, sugere-se que Brand está vendendo “teorias da conspiração” como uma espécie de fraude. De acordo com Schraer, a ideia de que meios de comunicação independentes, como os canais Stay Free de Brand, podem ser financiados diretamente pelo seu público – nesse caso, por meio de receitas publicitárias proporcionais ao número de telespectadores – sem compulsão é “evidência” dos seus motivos duvidosos. (Aparentemente, a BBC opõe-se veementemente ao livre mercado de ideias.)

Schraer explicou como começou o sucesso de Brand:

A porta para essa nova base de fãs pode ter-se aberto quando Brand discutiu pela primeira vez “o Great Reset” [em português, “o Grande Reinício” ou, mais comum, “o Grande Reset”] – um vago conjunto de propostas de um influente think tank para reconstruir a economia global após a Covid.

A fraca evidência que Schraer citou para suportar sua afirmação de que o Grande Reset é apenas um “vago conjunto de propostas” foi outro artigo da BBC. Cinco jornalistas contribuíram para esse artigo, que foi publicado em 2021 como parte da série Reality Check (“Checagem da Realidade”) da BBC.

Coletivamente, os cinco “jornalistas” da BBC Reality Check expuseram seu próprio engano no segundo e terceiro parágrafos:

Os que acreditam contam histórias sombrias sobre um governo mundial socialista autoritário dirigido por capitalistas e políticos poderosos – uma cabala secreta que está anunciando o seu plano pelo mundo todo.

Apesar de todas as contradições na última frase, milhares de pessoas online se agarraram a essa mais recente reimaginação de uma velha teoria da conspiração – atualizada para a era da Covid.

O problema é que ninguém acusado pela equipe da Reality Check de ser um teórico da conspiração do Grande Reset alguma vez alegou que o plano do Grande Reset era um segredo ou que os planejadores eram uma “cabala secreta”. O fato de o bem conhecido Fórum Econômico Mundial (FEM, do inglês World Economic Forum, WEF) ter divulgado seus planos pro mundo todo obviamente exclui a possibilidade de os planos serem “secretos” ou mesmo de terem agido secretamente.

A contradição foi uma fabricação criada pelos próprios jornalistas da BBC Reality Check. Aparentemente, foi inserida para apoiar sua acusação de que aqueles que criticaram o Grande Reset do FEM estavam aludindo a uma “cabala secreta”. Na verdade, os críticos apontavam abertamente o dedo diretamente para o FEM e seus parceiros. Nunca foram feitas sugestões de uma “cabala secreta” ou de planos secretos.

A intenção evidente da BBC era impugnar os críticos do Grande Reset, alegando falsamente que suas opiniões eram suposições ilógicas e especulativas e, portanto, eram “teorias da conspiração”. Os propagandistas da BBC criaram esse mito eles mesmos para deliberadamente enganar seus leitores. Essa é a própria definição de desinformação.

A equipe da Reality Check reportou então que a iniciativa do Grande Reset foi lançada pelo Rei – então Príncipe – Charles como um plano para remodelar a economia global. Eles falaram sobre o “poder [não eleito do FEM] para fazer lobby […] para ideias que poderiam potencialmente transformar a economia global”. Acrescentaram que o FEM e seus delegados em Davos têm “enorme influência nos acontecimentos mundiais”. Eles até levantaram o ponto de que existem legítimas preocupações sobre o potencial impacto da tecnologia digital – vigorosamente promovida no Grande Reset – “nas liberdades civis e empregos”.

Em suma, a equipe da BBC Reality Check apresentou um relato razoável dos argumentos apresentados por aqueles que depois eles rejeitaram imediatamente rotulando-os de “teóricos da conspiração”. Os “jornalistas” da BBC fizeram esse truque ao inventar uma opinião sobre “cabala secreta” e depois atribuí-la falsamente aos críticos do Grande Reset.

A fim de dissuadir seus leitores de qualquer exame mais aprofundado do Grande Reset, os ditos jornalistas da BBC alegaram que o Grande Reset em si era “leve em detalhes específicos”. Isso, mais uma vez, foi pura desinformação.

Os mesmos jornalistas tiveram que admitir a existência de um livro – de 256 páginas – publicado chamado Covid-19: O Grande Reset. Nele, os coautores Klaus Schwab e Thierry Malleret escreveram:

[…] nosso objetivo era escrever um livro relativamente conciso e simples para ajudar o leitor a entender o que está por vir em uma infinidade de domínios. Para interromper o fluxo do texto o mínimo possível, as informações de referência aparecem no final do livro e as atribuições diretas foram minimizadas.

As referências incluem links para documentos do FEM, como Visão geral dos riscos da COVID-19: um mapeamento preliminar e suas implicações. Esse é apenas um documento que faz parte do extenso programa de mapeamento de riscos do FEM. O programa de mapeamento, por sua vez, informa a Inteligência Estratégica altamente detalhada do FEM, que o FEM afirma que lhe permitirá “dar sentido às forças complexas que impulsionam a mudança transformacional nas economias, indústrias e questões globais”.

Na verdade, não existe nenhuma faceta da economia, da indústria ou mesmo quaisquer questões globais ou aspectos das nossas vidas para os quais o FEM não já tenha um plano transformacional detalhado e egoísta. A afirmação da BBC de que faltam “detalhes específicos” ao Grande Reset é absurda. O plano não poderia ser mais detalhado ou específico.

A afirmação subsequente de Rachel Schraer – de que o Grande Reset representa “um vago conjunto de propostas” – foi completamente nonsense, baseada em propaganda da própria BBC. O objetivo era convencer os leitores da BBC de que as críticas ao Grande Reset são uma “teoria da conspiração”. É evidente que tanto os artigos de Schraer como os da Reality Check serviram como defesa do Grande Reset do FEM.

Temos ainda outras boas razões para questionar o julgamento de Schraer.

O Dr. Simon Goddek, um cientista que se voltou contra o jornalismo e questionou a segurança e a eficácia das vacinas contra a COVID – excluindo-se, assim, das “autoridades epistêmicas” de Uscinski e Levy – compartilhou uma piada de humor negro como meme nas redes sociais. Mostrava o declínio físico com o envelhecimento da ex-primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Arden. Goddek brincou: “O que tinha nas injeções dela, mRNA ou metanfetamina?”

Essa piada foi posteriormente captada pelo propagandista da BBC Verify, Shayan Sardarizadeh, que a compartilhou novamente com o comentário: “10.000 retuítes, 46.000 curtidas e 4,2 milhões de visualizações para este absurdo de um teórico da conspiração confirmado”. A publicação de Goddek foi realmente “absurda” – porque era uma piada.

Quando Schraer postou novamente o comentário de Sardarizadeh, ela demonstrou uma lamentável falta de compreensão e uma notável falta de senso de humor. Ela acrescentou sua própria interpretação inútil com esta manchete absurda:

Urgente: vendedores de teorias da conspiração culpam vacinas pela passagem do tempo

Isso pode parecer um assunto trivial. Mas não é. Assim como Marianna Spring, Rachel Schraer é outra repórter especialista em desinformação da BBC. O fato de Schraer aparentemente não saber diferenciar uma piada e “desinformação” certamente coloca em questão seu suposto especialismo.

Para apreciar plenamente como o rótulo de “teoria da conspiração” é empregado pela mídia tradicional, podemos assistir ao vídeo recente do jornalista e locutor Andrew Neil, ex-editor do Sunday Times, ex-apresentador da BBC, e atual presidente do Spectator. Quando deixou a BBC, Neil teria estado “no centro da cobertura política da BBC durante quase três décadas”.

André Neil

André Neil

Em uma discussão com Sam Leith, editor literário do Spectator, sobre as alegações de Russell Brand, Neil lamentou que as redes sociais tivessem permitido que muitas pessoas – a maioria das quais ele considerava estúpidas – expressassem as suas opiniões. Com base nesse comentário, é evidente que, se Neil conhecesse o trabalho de Uscinski e Levy, provavelmente se consideraria um jornalista membro das chamadas “autoridades epistêmicas”.

Neil falou sobre a investigação de quatro anos conduzida pela mídia tradicional que acabou produzindo as acusações contra Brand. Ele a descreveu em termos elogiosos e observou que a mídia independente – a que chamou “os meios de comunicação alternativos” – não tinham nem os “recursos nem a expertise para fazer” uma investigação tão exaustiva.

O canal Spectator no YouTube dirigido por Neil tem 313 mil inscritos. Em comparação, Russell Brand tem 6,7 milhões de inscritos no YouTube. Consequentemente, o canal de Brand tinha consideravelmente mais recursos do que o Spectator. No entanto, após a suposta investigação da mídia tradicional sobre Brand, o YouTube desmonetizou sua conta, então agora os recursos do canal de Brand estão diminuindo em comparação.

Ao contrário dos meios de comunicação independentes, que são quase inteiramente financiados por doações de leitores e audiências, os meios de comunicação tradicionais são financiados por publicidade corporativa ou, no caso da BBC, por taxas de licença coercitivas. A mídia impressa do Reino Unido vem diminuindo há anos, à medida que as pessoas consomem cada vez mais notícias online. Além disso, as emissoras estatais, como a BBC e o Channel Four, estão perdendo milhões de telespectadores no Reino Unido.

No entanto, como observou Neil, os orçamentos dos meios de comunicação tradicionais são enormes em comparação com os escassos rendimentos juntados pelos meios de comunicação independentes. Mas esse forte contraste não impediu o establishment, que depende da mídia tradicional para a sua propaganda e é dono da maior parte dela, de entrar em pânico.

O pânico deles explica o comissionamento da Cairncross Review – destinada a fornecer algum tipo de justificativa para apoiar a mídia tradicional.

Ironicamente, a Cairncross Review concluiu que a mídia tradicional precisava de “novas fontes de financiamento, afastadas do controle direto do governo”. Por óbvio, os meios de comunicação genuinamente independentes já conseguiram novas fontes de financiamento ao dirigirem-se diretamente aos seus públicos, alguns dos quais valorizam o ponto de vista independente o suficiente para apoiá-lo financeiramente.

Dame Frances Cairncross (DBE, FRSE, FAcSS) aparentemente considerou o modelo de financiamento da mídia independente um lixo. Ela descartou essa possibilidade porque, como ela disse, “as histórias que as pessoas querem ler podem nem sempre ser aquelas que deveriam ler”. Ela praticamente declarou que o que o público deveria ler deveria ser estipulado pelas “autoridades epistêmicas”.

Em vez disso, Cairncross determinou que era necessária “a criação de um novo Instituto de Notícias de Interesse Público”. Para garantir que esse novo órgão de supervisão seria “independente”, Dame Cairncross recomendou que “construísse fortes parcerias com a BBC” e fosse financiado pelo governo do Reino Unido.

Sua sugestão significa que, tal como os atuais meios de comunicação independentes, a mídia tradicional do futuro seria financiada pelo público. A diferença entre os dois modelos de financiamento é que o de Cairncross não seria voluntário, mas alcançado através de impostos obrigatórios. Por meio do novo órgão que ela imaginou, em vez de as pessoas escolherem quais meios de comunicação pretendem apoiar, as “autoridades epistêmicas” e o governo decidiriam por elas.

O que Frances Cairncross recomendou em última análise foi a regulamentação estatal da Internet como forma de proteger a mídia tradicional da opinião pública. Essas regulamentações diriam às pessoas em quais meios de comunicação deveriam “confiar” e, esperançosamente, impediriam que apoiassem os meios de comunicação “errados”.

A revisão de Dame Cairncross encaixou-se perfeitamente com o progresso da Lei de Segurança Online (Online Safety Act, OSA) do Reino Unido no parlamento. Em sua revisão, ela escreveu:

O governo vai querer considerar essas recomendações no contexto do seu trabalho paralelo sobre os danos online, a desinformação e a concorrência digital, para determinar se as recomendações aqui estabelecidas devem ser seguidas separadamente ou como parte de pacotes mais amplos de medidas.

Em particular, cabe ao governo determinar a melhor forma de projetar e executar políticas relacionadas às atividades das plataformas online, incluindo qualquer supervisão regulamentar. Esta revisão é neutra […]

Neutra?

A OSA passou em todas as etapas de leitura parlamentar do Reino Unido e deve receber o consentimento real a qualquer momento. Estabeleceu o Ofcom como regulador da Internet. O objetivo da lei é supostamente melhorar a segurança pública online – especialmente a segurança infantil. Mas é claramente óbvio que o verdadeiro objetivo da OSA é impedir que as pessoas compartilhem nas redes sociais informações que o governo deseja impedir que sejam compartilhadas – o artigo que você está lendo, por exemplo.

A OSA limitará o alcance online da mídia independente. Alcançar esse objetivo é de vital importância para o establishment – ainda mais porque o interesse público nas notícias online da mídia tradicional também está diminuindo.

Além disso, a OSA proporciona uma proteção significativa para cada uma das organizações de mídia regulamentadas que o Estado controla e categoriza como “editoras de notícias reconhecidas”. Isso significa todos os meios de comunicação tradicionais, além dos meios de comunicação “independentes” favorecidos, como o Bellingcat, que também é financiado pelo establishment.

Então, dados seus cuidados protetores e vastos recursos, que alegada “expertise” você acha que a mídia tradicional trouxe para a investigação de Russell Brand? Para um relato completo desse dito jornalismo, você pode ler este artigo. Mas talvez eu deva avisá-lo antecipadamente que, embora as alegações contra Brand sejam muito sérias e devam ser investigadas pela polícia, a “equipe” da mídia tradicional, de forma decepcionante, não apresentou um pingo de evidência de verdade para apoiar as acusações reportadas.

Pior ainda, a mídia tradicional evidentemente fabricou supostas provas para enganar seus leitores e o público, minando assim os relatos das potenciais vítimas.

No entanto, de acordo com o nosso Andrew Neil do Spectator, para que os meios de comunicação tradicionais tenham gasto seus recursos consideráveis ​​durante um período de quatro anos para produzir essa volumosa investigação (que podemos chamar de detritos desajeitados) requer grande “expertise”.

Na entrevista ao Spectator, Leith perguntou a opinião de Neil sobre a possibilidade de a mídia tradicional ter lançado um ataque coordenado contra Brand. Aqui está como Neil respondeu:

Não há nenhuma virtude nisso, e as pessoas que estão empurrando essa ideia, de que há uma espécie de conspiração para derrubá-lo, são as mesmas pessoas que acreditam em todos os tipos de conspirações também. Que as vacinas colocaram pequenos microchips nos nossos corpos, que a administração Bush estava realmente por trás do 11 de Setembro, e todas as outras bobagens. Claro, naturalmente vivemos num mundo governado por pessoas-lagarto. Todos nós sabemos quem eles são [o povo-lagarto], a grande mídia sabe quem eles são, apenas estamos com muito medo de apontar os lagartos dentre nós. Eles são conspiradores em tudo agora.

É possível, embora difícil de comprovar, que uma pequena minoria de pessoas rotuladas como teóricas da conspiração acreditem que existem microchips nas vacinas contra a COVID. Embora o advento de chips do tamanho de partículas torne essa afirmação pelo menos viável, a grande maioria das pessoas que questionaram as vacinas – e que também foram rotuladas como teóricas da conspiração pelas “autoridades epistêmicas” – estavam mais preocupadas com o status experimental, os potenciais riscos desconhecidos e a questionável eficácia das vacinas, sem mencionar a ausência de quaisquer ensaios concluídos.

O cansativo refrão de “lagartos” de Neil baseava-se unicamente na opinião de um proeminente dito “teórico da conspiração”, David Icke, cuja hipótese extremamente especulativa dos “Anunnaki sumérios” baseava-se em sua interpretação de alguns textos gnósticos – o Nag Hammadi, os Manuscritos do Mar Morto, etc. – e o trabalho de estudiosos como Zecharia Sitchin.

Ninguém que questionou seriamente as vacinas contra a COVID, incluindo dezenas de milhares de médicos e enfermeiros do Reino Unido, o fez porque pensava que a realeza era formada por lagartos. Aliás, os engenheiros estruturais da Universidade do Alasca Fairbanks também não questionaram o relato oficial do 11 de Setembro porque imaginavam que o ex-presidente dos EUA, Bush, é um réptil pandimensional que muda de forma.

Vamos recuar um passo e nos questionar: se Andrew Neil é, como ele alega, o superior intelectual de qualquer um que sugira que pode ter havido um ataque coordenado da mídia tradicional contra Brand, então por que ele ignora o fato claro como o dia de que as alegações contra Brand foram noticiadas simultaneamente por quase toda a mídia tradicional em ambos os lados do Atlântico? Será que um fato tão absoluto, uma prova tão irrefutável, não aponta pelo menos para a possibilidade de uma coordenação planejada?

E porque esse é o caso, ficamos com apenas uma conclusão: Neil deliberadamente usou uma técnica de propaganda testada e comprovada chamada falácia do espantalho. Ou seja, ele atribuiu crenças absurdas a pessoas de quem discorda, a fim de falsamente desmascarar, com facilidade artificial, argumentos que elas nunca apresentaram. Essa técnica é um tipo de falácia lógica.

Ele então usou uma técnica relacionada chamada falácia da composição para manipulativamente alegar que a opinião de uma pessoa que ele rotula de teórico da conspiração (ele está se referindo a Icke sem nomeá-lo) representa a opinião de todos que ele rotula de teóricos da conspiração. Essa é uma tática muito comum da mídia tradicional.

Neil disse alguma coisa sobre a suspeita comum de um possível ataque coordenado a Brand? Sim, ele disse:

[O conspiracionismo] é uma defesa bastante difícil de lidar, porque é muito ridícula. É uma defesa que não precisa de fatos. É uma cultura em que Russell Brand viveu e lucrou, ou pelo menos o fez até o YouTube cortar suas receitas. Então é com isso que eles lidam, eles não lidam com a coleta de evidências. […] Todos esses teóricos da conspiração podem ter suas opiniões absurdas sobre o que realmente está acontecendo aqui com Russell Brand, mas para estabelecer o que está acontecendo, para produzir provas, é necessário jornalismo investigativo.

Vale a pena reiterar mais uma vez que a investigação das acusações contra Brand não forneceu nada além de acusações. Isso não significa que as acusações não sejam verdadeiras. Mas os jornalistas da mídia tradicional não forneceram nada que se aproximasse das “provas” que Neil alega existir.

Observe que Neil usou a palavra “ridícula” para sinalizar à sua audiência que as pessoas que ele chama de “teóricos da conspiração” têm crenças ridículas. Mas pense nisso: sua afirmação foi baseada somente nas suas próprias afirmações ridículas e falácias lógicas – e não em qualquer evidência de verdade.

Portanto, se quisermos acreditar na palavra de Neil e “estabelecer o que está acontecendo”, então precisamos olhar para as “evidências” na esperança de estabelecer alguns “fatos”.

Certo, vamos fazer isso. É um fato que, após a publicação das acusações, a mídia tradicional não se propôs imediatamente a encontrar evidências adicionais que apoiassem as acusações das possíveis vítimas. Em vez disso, a mídia tradicional voltou sua atenção para atacar as opiniões “conspiratórias” de Brand e dos seus seguidores.

Exemplo 1. Assim que as acusações contra Brand foram publicadas, a BBC escreveu que ele “desenvolveu um culto de seguidores” e “se interessou pelo mundo das teorias da conspiração”. A essas acusações, a BBC acrescentou o “fato” cintilante de que Brand tinha conquistado seguidores durante a alegada pandemia de COVID-19 porque “discutiu teorias de conspiração em torno da doença”.

Exemplo 2. Dois dias depois, usando o mesmo alegado tema de “culto”, o Metro publicou um artigo intitulado Da negação da Covid ao ódio da grande mídia – Por dentro do culto online alimentado pela conspiração de Russell Brand.

Exemplo 3. Alguns dias depois, do outro lado do planeta, a ABC News da Austrália afirmou que os seguidores de Brand respondem aos seus “discursos inflamados” simplesmente porque ele é “controverso” e que o seu público é composto por “pessoas que perseguem teorias da conspiração”.

Exemplo 4. Após as acusações contra Brand, o governo do Reino Unido decidiu que deveria expressar sua opinião sobre uma potencial investigação criminal. Nada menos que o gabinete do Primeiro-Ministro emitiu uma declaração oficial declarando que “essas são alegações muito sérias e preocupantes”.

Os exemplos são infinitos. Não temos espaço para citar todos. Que estranho, então, que Andrew Neil tenha afirmado em sua entrevista que ninguém “estava se importando” com Russell Brand. A “evidência” contradiz completamente Andrew Neil. Parece que toda a mídia tradicional, dos quatro cantos do mundo e do governo do Reino Unido, está muito interessada nas alegações de Russell Brand.

A opinião divulgada pelo governo do Reino Unido foi seguida por cartas enviadas por e-mail de Dame Caroline Dinenage DBE MP para várias redes sociais e sites de notícias online, incluindo o TikTok, de propriedade chinesa e o serviço de hospedagem de vídeo Rumble, solicitando que Brand fosse desmonetizado nessas plataformas online.

Caroline Dinenage é a Baronesa Lancaster de Kimbolton, um membro importante do establishment e membro do Comitê Seleto de Cultura, Mídia e Esporte da Câmara dos Comuns. Não é nenhuma surpresa que esse mesmo comitê tenha sido fundamental na criação da Lei de Segurança Online. Além disso, quando a baronesa foi Ministra de Estado do Digital e do Desporto de Fevereiro de 2020 a Setembro de 2021, ela tinha a responsabilidade ministerial de orientar a aprovação do Projeto de Lei de Segurança Online para se tornar a Lei de Segurança Online.

A máxima do direito “inocente até que se prove ser culpado”, que Neil admitiu ser um princípio importante da democracia liberal do Reino Unido, parece não significar praticamente nada para Dinenage.

Uma noção é divulgada em alguns setores da mídia tradicional de que Dinenage estava agindo de forma independente. Isso pode ser verdade. Mas por que, então, ela usou o papel timbrado oficial da Câmara dos Comuns em sua correspondência?

Até o momento, não houve nenhuma declaração oficial do Comitê Seleto de Cultura, Mídia e Esporte sobre as acusações contra Brand. Alegadamente, limitou-se a reconhecer que apenas “algumas” das cartas enviadas em seu nome foram aprovadas. Considerando que todas as cartas sob seu papel timbrado eram exemplos vergonhosos de autoritarismo generalizado, o fato de qualquer uma delas ter sido aparentemente aprovada indica as tendências ditatoriais do Comitê Seleto como um todo.

Que fatos reais foram estabelecidos?

Em primeiro lugar, é um fato que a mídia tradicional explorou as alegações e empregou a falácia da composição para desacreditar tanto as opiniões de Brand quanto dos seus seguidores nas redes sociais.

Em segundo lugar, é um fato que as acusações contra Brand surgiram ao mesmo tempo que a Lei de Segurança Online passou por sua fase de leitura final. As acusações contra Brand ganharam todas as manchetes, não deixando praticamente nenhum espaço para uma cobertura proeminente da iminente lei de censura do Reino Unido por parte da mídia tradicional. Distraindo completamente o público do Reino Unido.

Terceiro, é um fato que o objetivo da Lei de Segurança Online é reforçar o alcance cada vez menor da mídia tradicional e censurar sua concorrente mídia independente.

Quarto, é um fato que Brand e seus seguidores são considerados parte da mídia independente, que a mídia tradicional acusa de serem teóricos da conspiração.

Quinto, é um fato que figuras formativas do governo do Reino Unido usaram as alegações publicadas pela mídia tradicional para tentar limitar o alcance de alguém que tem milhões de seguidores e a quem acusam de ser um teórico da conspiração.

Sexto, é um fato que limitar o alcance dos teóricos da conspiração populares é exatamente o que a Lei de Segurança Online foi concebida para alcançar.

Existem evidências sólidas que apoiam cada um desses fatos. Então, o que é que Andrew Neil, um presumível membro das “autoridades epistêmicas”, pensa dos fatos e das provas que ele insiste que ele e toda a mídia tradicional que ele defende têm? Em sua entrevista ao Spectator, Neil disse o seguinte:

Acho que porque a posição de Russell Brand, em termos de uma variedade de conspirações, é muito semelhante às conspirações deles, eles o consideram um de nós. Portanto, independentemente do que ele seja acusado, precisamos persegui-lo. Precisamos ir atrás dele, eles estão tentando nos pegar. Quero dizer, não se esqueça, eles são teóricos da conspiração e, portanto, são paranoicos. Eles não são apenas paranoicos, eles sabem que as pessoas mais sensatas estão contra eles. E acho que é uma espécie de defesa perseguir um deles.

A entrevista ao Spectator foi publicada no dia 23 de setembro, depois da publicação das cartas de Dinenage e das reportagens da mídia tradicional que acabamos de discutir. Em outras palavras, Neil tinha montes de material na ponta dos dedos, mas optou por descartar todas as evidências e ignorar os numerosos fatos que apontavam para um possível motivo político para a perseguição a Brand por parte da mídia tradicional global e do governo do Reino Unido. Em vez disso, ele simplesmente deixou de lado todas as evidências e fatos e mergulhou em suas acusações de “teoria da conspiração”.

Esse é um caso clássico de como o rótulo de “teoria da conspiração” é aplicado por pessoas, como Neil, que não desejam reconhecer evidências ou fatos contraditórios. A acusação de “teoria da conspiração” permite que Neil e seus companheiros da mídia tradicional criem o que fingem ser narrativas inquestionáveis, nas quais esperam que seus leitores e telespectadores “confiem” com base em sua frágil e risível afirmação de serem “autoridades epistêmicas”. Deve-se notar que isso é precisamente o que decreta “a Ciência™” do conspiracionismo.

Quando Sam Leith, o entrevistador de Neil, apontou que os chamados teóricos da conspiração não podem ser categorizados por nenhuma ideologia política única, Neil não parou para considerar as implicações da declaração precisa do seu subordinado.

Em vez disso, ele embarcou em uma reminiscência anedótica, como se tentasse justificar sua bizarra visão da teoria da conspiração. Tendo rejeitado todas as evidências em contrário, ele afirmou falsamente que a teoria da conspiração reside apenas nos extremos da política e que a extrema esquerda e a extrema direita (teóricos da conspiração) acreditam essencialmente na mesma coisa.

Ele opinou que ambas as alegadas alas extremistas e, portanto, todos os teóricos da conspiração que ele imagina odeiam a democracia liberal. Sua conclusão:

Pessoas como Russell Brand não são amigas da democracia liberal e nem seus apoiadores.

Como discutimos na Parte 1, isso é proselitismo estúpido. Os elitistas enraizados do establishment esperam seriamente que aceitemos que as pessoas que mais ferozmente protegem e procuram exercer o nosso direito democrático de questionar o poder são todas teóricas da conspiração extremistas.

Neil aparentemente acredita que a democracia liberal é personificada pela confiança do público nas “autoridades epistêmicas” do establishment. Consequentemente, na sua evidente visão, qualquer pessoa que desafie as “autoridades” e os seus pronunciamentos e decretos está a minar a democracia liberal. Mas o que ele descreve é, na verdade, o sistema político de um Estado fascista totalitário – uma inversão completa da democracia liberal e dos princípios em que supostamente se baseia.

É evidente que, da perspectiva de Neil, apenas pessoas estúpidas – teóricos da conspiração – questionam a verdade epistêmica, como presumivelmente definida pela sua classe estreita e autoritária. Ele vê todas essas pessoas estúpidas como extremistas pouco inteligentes que procuram destruir a ordem social que ele falsamente chama de democracia liberal.

Qualquer pessoa que usa o rótulo de “teoria da conspiração” o faz não porque valoriza as evidências, os fatos ou a dialética, mas porque não aceitará qualquer desafio à sua visão do mundo ou qualquer dissidência da sua alegada autoridade.

A acusação de “teoria da conspiração” é uma construção de propaganda autoritária, criada intencionalmente para censurar opiniões legítimas e baseadas em fatos.

É hora de enfrentarmos as “autoridades epistêmicas” e rejeitarmos sua pretensão elitista e autoritária de superioridade intelectual.

É hora de insistir que todas as evidências sejam discutidas, que todos os fatos sejam apurados e reportados ao público.

É hora de rejeitar o boato da “teoria da conspiração” dos propagandistas do Estado.

Autor: Iain Davis

Iain Davis é um escritor, jornalista e autor que mantém um blog em iaindavis.com e escreve para o UK Column, o Unlimited Hangout e outros. O trabalho de Iain aparece regularmente em vários meios de comunicação, incluindo OffGuardian, Lew Rockwell, Technocracy News & Trends e The Corbett Report.

Iain mora na costa sul da Inglaterra. Sua exposição de ideias habitual, principalmente por meio do seu blog e livros publicados, é baseada em extensas pesquisas e mergulhos profundos em assuntos políticos, sociais e geopolíticos complexos e muitas vezes abrangentes.

Tradutor: Daniel Peterson

Esse texto é uma tradução do artigo originalmente publicado por Iain Davis no seu blog em 06 de outubro de 2023.

O texto original, em inglês, disponibilizado sob a licença CC BY-NC 4.0, pode ser conferido em:

Comentários

Sobre

Propagando ideias de liberdade.

Autor

Anúncio