Cabeça Livre

Território perigoso à frente: como uma sociedade segregada por vacinas se parece para os não-vacinados

A ideia de que as medidas contra a Covid poderiam incluir vacinação obrigatória e passaportes de vacinação, resultando em uma sociedade segregada onde apenas aqueles participando do experimento da vacina teriam direitos humanos, já foi rotulada como uma teoria da conspiração feroz – mas agora estamos adentrando esse território perigoso.

Resumo da história:

  • Cadeias de restaurantes de alto padrão como Shake Shack e Union Square Hospitality, na cidade de Nova York e Washington DC, exigirão que funcionários e clientes que desejarem entrar apresentem prova de “vacinação” contra a Covid a partir de 7 de setembro de 2021.
  • Bares e restaurantes apenas para vacinados também surgiram em Seattle, Los Angeles, São Francisco, Oakland, Filadélfia, Boston, Atlanta, Boulder, St. Louis e Nova Orleans.
  • Um número crescente de empresas privadas também está exigindo que os trabalhadores participem de experiências médicas humanas ou perderão seus empregos. Exemplos de grande porte incluem Facebook, Google, Twitter, Lyft, Uber, Saks Fifth Avenue, The Washington Post, BlackRock, Ascension Health, Netflix, Walmart, Walt Disney Corporation e Morgan Stanley.
  • O PayPal está prometendo bloquear transações e cancelar contas mantidas por “extremistas” e qualquer um que coloque em perigo “comunidades de risco”, o que poderia incluir praticamente qualquer coisa, incluindo a retórica antivacina.
  • O âncora da CNN, Don Lemon, sugeriu que pessoas não vacinadas deveriam ser proibidas de comprar comida em supermercados e ter sua carteira de motorista tomada.

Em 2020, a proposição de que as medidas contra a Covid-19 viriam a incluir vacinação obrigatória e passaportes de vacinação, resultando em uma sociedade segregada onde apenas aqueles participando do experimento da vacina teriam direitos humanos, foi rotulada como uma teoria da conspiração feroz indigna de discussão.

Avance para 2 de agosto de 2021, e a Forbes anuncia: “Sem vacina, sem serviço: veja aqui onde bares e restaurantes nos EUA estão exigindo prova de vacinação”.

Sem vacina, sem janta

De acordo com a Forbes, cadeias de restaurantes de alto padrão como Shake Shack e Union Square Hospitality, em Nova York e Washington DC, estão liderando o caminho, exigindo que todos os funcionários e clientes que desejarem entrar provem que receberam as doses necessárias de injeções de Covid-19. Essa exigência começará a valer a partir de 7 de setembro.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, saudou a decisão, dizendo que outros seguirão – e de fato, fizeram, com o próprio de Blasio anunciando em 3 de agosto que a prova de vacinação será obrigatória para todas as refeições em ambientes fechados, idas a academias e cinemas na cidade:

“Este é um lugar milagroso, literalmente cheio de maravilhas”, disse de Blasio. “Se você for vacinado, tudo isso vai se abrir para você. Mas se você não for vacinado, infelizmente não poderá participar de muitas coisas.”

Vários restaurantes da cidade de Nova York já estavam verificando o status de vacinação e, durante a última semana de julho, a San Francisco Bar Owners Alliance instou seus 300 membros a exigirem uma prova de injeção contra a Covid-19 ou um teste negativo para Covid de clientes que desejassem tomar uma bebida dentro do bar.

Vários restaurantes, bares e clubes de comédia de Los Angeles também estão seguindo o exemplo, assim como mais de 60 estabelecimentos em Seattle. Restaurantes apenas para vacinados também surgiram em Oakland, Filadélfia, Boston, Atlanta, Boulder, St. Louis e Nova Orleans.

Uma vez que as medidas contra a Covid são uma operação global de bloqueio, a mesma tendência de segregação está surgindo em outros países também. Por outro lado, na Flórida, onde moro, as empresas estão proibidas por lei de exigir que os clientes apresentem prova de participação no experimento de injeção da Covid.

Sem vacina, sem trabalho

Um número crescente de empresas privadas também está exigindo que os trabalhadores participem de experiências médicas humanas ou perderão seus empregos. Conforme relatado pela Axios, isso inclui Facebook, Google, Twitter, Lyft, Uber, Saks Fifth Avenue, The Washington Post, BlackRock, Ascension Health, Netflix, Walmart, Walt Disney Corporation e Morgan Stanley.

Como mencionado, a Flórida proíbe as empresas de exigir que os clientes forneçam comprovante de “vacinação” contra a Covid, mas não as impede de exigir a vacinação de seus funcionários.

Por agora, o mandato de injeção da Disney apenas se refere a funcionários horistas assalariados e não sindicalizados, mas de acordo com o Yahoo! Notícias, a Disney está em negociações com dirigentes sindicais que representam os funcionários dos parques temáticos e os membros das suas equipes de produção de cinema e TV. O objetivo é estender o mandato da vacina também aos funcionários sindicalizados.

Em maio, a Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego decretou que é legal que as empresas exijam que funcionários tomem as doses da Covid. Isso apesar do fato de que as quatro injeções da Covid disponíveis estão apenas autorizadas para uso emergencial e ainda não estão licenciadas. Não é esperado que os testes sejam concluídos nos próximos dois anos.

Sem vacina, sem negócios

As empresas privadas também têm o direito de não exigir doses da Covid, claro, mas defender o direito de escolha dos trabalhadores pode prejudicar sua capacidade de conduzir negócios em definitivo, já que o PayPal está agora prometendo bloquear transações e cancelar contas mantidas por “extremistas” e qualquer um colocando em perigo “comunidades de risco”, o que poderia incluir praticamente qualquer coisa nesse momento.

Vendo como a Casa Branca está promovendo a ideia de que as pessoas que questionam a segurança e eficácia das injeções de Covid estão “matando pessoas”, e que o Centro para Combater o Ódio Digital rotula a retórica antivacina como uma forma de “discurso de ódio”, é exagero suspeitar que o PayPal vai começar a derrubar as contas dos chamados “antivaxxers?”

Donos de empresas e empreendedores autônomos que falam contra outras narrativas oficiais provavelmente enfrentam o mesmo risco. O capitalista de risco David Sacks comentou recentemente sobre a situação:

Quando ajudei a criar o PayPal em 1999, estava promovendo uma ideia revolucionária. Pessoas comuns não seriam mais dependentes de grandes instituições financeiras para começar um negócio […]

Mas agora o PayPal está dando as costas para sua missão original. Agora está liderando a incumbência de restringir a participação daqueles que considera indignos […] [E]stamos falando sobre […] desligar pessoas e organizações que expressam pontos de vista que são inteiramente legais […]

Se a história serve de guia, outras companhias fintech logo seguirão o exemplo […] Quando […] seu nome cair em uma lista de “proibido de comprar” criada por um consórcio de companhias fintech privadas, a quem você poderá apelar?

Quanto à noção de criar seu próprio PayPal ou Facebook: por causa de seus efeitos de rede gigantescos e economias de escala, não há alternativa viável quando toda a indústria trabalha em conjunto para negar seu acesso.

Tirar pessoas das mídias social priva-as do direito de falar em nosso mundo cada vez mais online. Trancá-los fora da economia financeira é pior: priva-os do direito de ganhar a vida.

Temos visto como a cultura do cancelamento pode destruir a capacidade de alguém de ganhar uma renda, mas agora os cancelados podem se ver sem uma forma de pagar por bens e serviços.

Anteriormente, funcionários cancelados que nunca mais teriam a oportunidade de trabalhar em uma empresa Fortune 500 pelo menos tinham a opção de abrir um negócio por conta própria. Mas se eles não puderem comprar equipamentos, pagar funcionários ou receber pagamentos de clientes e consumidores, essa porta se fecha para eles, também.

Se essa tendência continuar, o que provavelmente acontecerá, pessoas que questionam as doses da Covid e/ou se recusam a participar de experimentações humanas podem ser impedidas de ter um cartão de crédito ou uma conta bancária?

Sem vacina, sem comida

Alguns estão promovendo punições ainda mais severas para os não vacinados. No entanto, não é suficiente para alguns influenciadores que indivíduos não vacinados não possam entrar em um bar ou restaurante, e possam perder sua capacidade de enviar ou receber dinheiro por bens e serviços usando o PayPal (e potencialmente outros serviços de transação digital).

Por exemplo, o âncora da CNN, Don Lemon, sugeriu recentemente que pessoas não vacinadas deveriam ser proibidas de comprar comida e ter sua carteira de motorista tomada.

Eu gostaria que você fizesse um exercício mental e pensasse nisto do início ao fim. Tente imaginar como seria sua vida se você fosse:

  1. Proibido de dirigir.
  2. Proibido de trabalhar e ganhar um salário.
  3. Proibido de enviar ou receber dinheiro online.
  4. Proibido de ter conta em banco e cartão de crédito.
  5. Proibido de comer comida em um restaurante (supondo que você de alguma forma tenha dinheiro em espécie – cédulas e moedas – para pagar por isso).
  6. Proibido de comprar comida em uma mercearia (novamente, supondo que você de alguma forma tenha dinheiro em espécie para pagar por isso).

Lemon e inúmeros outros estão realmente dizendo que é aceitável deixar metade da população dos Estados Unidos desabrigada e matá-la de fome para, teoricamente, prevenir a propagação de uma infecção que, até agora, teve uma taxa de sobrevivência de 99,74%?

Cartaz sendo fixado em restaurante em Nova Iorque. Nele se lê: "Não discriminamos qualquer consumidor com base em sexo, gênero, raça, religião, idade, vacinado ou não vacinado. Todos os consumidores que quiserem patrocinar são bem-vindos no nosso estabelecimento." Crédito da imagem: Ari Hasanaj / [TikTok](https://www.tiktok.com/@arihasanaj/video/7003201966272793861).

Cartaz sendo fixado em restaurante em Nova Iorque. Nele se lê: "Não discriminamos qualquer consumidor com base em sexo, gênero, raça, religião, idade, vacinado ou não vacinado. Todos os consumidores que quiserem patrocinar são bem-vindos no nosso estabelecimento." Crédito da imagem: Ari Hasanaj / TikTok.

A moralidade da manada

Para entender o que realmente está acontecendo e o que a retórica de Lemon está efetuando, eu recomendo fortemente a leitura do artigo de Charles Eisenstein “A moralidade da manada e os não-vacinados”. É uma peça excelente e que instiga a reflexão.

Aqui estão alguns trechos selecionados:

Gostaríamos de pensar que sociedades modernas como a nossa superaram costumes bárbaros como o sacrifício humano. […] não matamos realmente pessoas na esperança de aplacar os deuses e restaurar a ordem. Ou matamos? […]

Não é qualquer vítima que servirá como objeto de sacrifício humano. As vítimas devem, como diz [a jurista Roberta] Harding, “estar dentro da, mas não ser da sociedade”. É por isso que, durante a Peste Negra, multidões vagavam sobre matar judeus por “envenenar os poços”.

Toda a população judaica de Basel foi queimada viva, uma cena que se repetiu em toda a Europa Ocidental. No entanto, isso não foi principalmente o resultado de um virulento e preexistente ódio aos judeus à espera de uma desculpa para explodir; era que vítimas eram necessárias para liberar a tensão social, e o ódio, um instrumento dessa liberação, se aderiu oportunisticamente aos judeus. […]

“Combater o ódio” é combater um sintoma. Os bodes expiatórios não precisam ser culpados, mas devem ser marginais, párias, hereges, violadores de tabus ou infiéis de um tipo ou de outro. […] Se eles ainda não são marginais, devem ser tornados. […]

[D]esafiando a categorização esquerda-direita está uma nova classe promissora de bodes expiatórios, os hereges do nosso tempo: os antivaxxers (antivacinas). Como uma subpopulação prontamente identificável, eles são candidatos ideais para servir de bode expiatório. Pouco importa se algum deles representa uma ameaça real para a sociedade […] sua culpa é irrelevante para o projeto de restauração da ordem por meio do sacrifício de sangue […]

Basta que a classe desumanizada desperte a indignação cega e a raiva necessárias para incitar um paroxismo de violência unificadora. Mais relevante para os tempos atuais, essa energia primitiva das massas pode ser aproveitada para fins políticos fascistas. […]

Sujeitos sacrificiais carregam uma associação de poluição ou contágio; sua remoção, portanto, limpa a sociedade. Conheço pessoas no campo da saúde alternativa que são consideradas tão impuras que, se eu sequer mencionar seus nomes em um tuíte ou uma postagem no Facebook, a postagem pode ser excluída. […]

A pronta aceitação do público de tal censura flagrante não pode ser explicada apenas em termos de acreditar no pretexto de “controlar a desinformação”. Inconscientemente, o público reconhece e obedece ao antigo programa de investir uma subclasse pária com a simbologia da poluição.

Esse programa está bem encaminhado em direção aos não vacinados contra a Covid, que estão sendo retratados como fossas de germes ambulantes que podem contaminar os Irmãos Santificados (os vacinados).

Minha esposa estava passando as publicações de uma página de acupuntura no Facebook hoje […] quando viu alguém perguntando: “Qual é a palavra que vem à mente para descrever pessoas não vacinadas?” As respostas eram coisas como “imundície”, “idiotas” e “comensais da morte”. Esta é precisamente a desumanização necessária para preparar uma classe de pessoas para a limpeza. […]

Para preparar alguém para remoção como o repositório de tudo o que é mau, ajuda amontoar sobre ele todas as calúnias imagináveis. Assim, ouvimos em publicações convencionais que os antivacinas não apenas estão matando pessoas, como também são narcisistas raivosos […] e equivalentes a terroristas domésticos.

Território perigoso à frente

Se, no fundo das suas entranhas, você sente que estamos acelerando em direção a um território perigoso, provavelmente você está certo. O público “vacinado” está ativamente encorajado e manipulado tanto pela mídia quanto por burocratas do governo para literalmente desprezar e desejar a morte para os não vacinados, e isso é de fato uma coisa muito perigosa. Isso gera uma mentalidade de manada desprovida de razão e lógica, o que pode ter consequências trágicas.

“Por que o fascismo é tão comumente associado ao genocídio, quando como filosofia política trata da unidade, do nacionalismo e da fusão do poder corporativo e estatal?” Pergunta Eisenstein.

É porque ele precisa de uma força unificadora poderosa o suficiente para varrer para escanteio toda resistência. O nós do fascismo requer um eles. A maioria moral civilizada participa de boa vontade, assegurada de que é para o bem maior. Algo precisa ser feito. Os que duvidam também acompanham, para sua própria segurança.

Não é de admirar que as instituições autoritárias de hoje saibam, como que instintivamente, instigar a histeria contra […] os não vacinados. O fascismo toca, explora e institucionaliza um instinto mais profundo.

A prática de criar classes de pessoas desumanizadas e depois assassiná-las é mais antiga do que a história. […] A campanha contra os não vacinados, vestida com o jaleco branco da Ciência, munida de dados tendenciosos, e balançando a bandeira do altruísmo, canaliza um impulso antigo e brutal.

A Constituição ainda oferece alguma medida de proteção nos Estados Unidos, mas pode ser ingênuo presumir que ela será cumprida no longo prazo, a menos que nós, o povo, demandemos isso. Na Austrália, militares estão agora vagando pelas ruas de Sydney para garantir que ninguém saia pela porta da frente, uma vez que o país implementou um dos seus lockdowns mais rígidos até então.

Acendendo as chamas da raiva e do ódio, o primeiro-ministro Scott Morrison afirmou que os australianos vacinados talvez possam recuperar parte da sua mobilidade quando a taxa de vacinação atingir 70%, e lockdowns gerais podem ser evitados completamente se a taxa de vacinação atingir 80%.

“Se você for vacinado, haverá regras especiais que se aplicam a você”, disse Morrison aos repórteres. “Por que? Porque se você for vacinado, você apresenta menos risco para a saúde pública.”

Uma pessoa racional pode questionar se Morrison realmente manterá sua palavra. Uma pessoa cega pela raiva provavelmente não o fará, mas, em vez disso, direcionará sua frustração às resistências que impedem que a taxa de vacinação atinja aquele limiar mágico onde eles acreditam que sua liberdade lhes será devolvida.

Autor: Dr. Joseph Mercola

Dr. Joseph Mercola é o fundador do site Mercola.com. Médico osteopata, autor de best-sellers e ganhador de vários prêmios no campo da saúde natural, sua visão principal é mudar o paradigma da saúde moderna, fornecendo às pessoas um recurso valioso para ajudá-las a assumir o controle da sua saúde.

Tradutor: Cabeça Livre

Esse texto é uma tradução do texto originalmente escrito pelo Dr. Joseph Mercola em 17 de agosto de 2021.

O texto original, em inglês, pode ser conferido em:

Gostou? Que tal compartilhar?

Comentários

Sobre

Propagando ideias de liberdade.

Anúncio

Apoie

Ajude este site tornando-se um patrocinador, agradeço qualquer contribuição!

Padrim

Padrim