Cabeça Livre

As vacinas da Covid comprometem a imunidade natural?

Crédito da imagem: Spencer Davis / [Unsplash](https://unsplash.com/s/photos/covid-vaccine?utm_source=unsplash&utm_medium=referral&utm_content=creditCopyText)

Crédito da imagem: Spencer Davis / Unsplash

Resumo da história:

  • A “Estratégia do Oceano Azul” é uma estratégia de negócios que propõe criar um mercado totalmente novo e dominá-lo, em vez de tentar competir em um mercado existente
  • A nova fronteira comercial de hoje é o corpo humano, “corpo como plataforma”
  • Estamos sendo conduzidos a uma assinatura vitalícia de um serviço de imunidade artificial
  • É importante entender se no processo de receber vacinas experimentais nossa imunidade em um espectro mais amplo é comprometida
  • Alguns estudos foram publicados recentemente mostrando que esse pode ser o caso, e mais pesquisas são necessárias

Pessoas como plataformas de software

Há alguns meses, escrevi um artigo sobre a guerra contra a imunidade natural e a capacidade, no qual discuti como estávamos sendo conduzidos a um modelo de assinatura sob o qual teríamos que obter uma assinatura vitalícia do serviço de imunidade artificial – com reforços daqui até o infinito.

A noção de uma assinatura vitalícia de um serviço de imunidade artificial é distópica, e eu esperava estar errada. Mas, infelizmente, a mensagem em torno da necessidade de reforços devido ao desvanecimento da imunidade parece indicar que é para onde estamos indo, a menos que decidamos não participar.

O modelo é baseado na “Estratégia do Oceano Azul”, que é uma estratégia de negócios que “propõe criar um mercado totalmente novo do nada e dominá-lo (um oceano azul) – em vez de tentar competir em um mercado existente (um oceano vermelho com sangue).”

Por exemplo, quando a Internet foi introduzida para uso comercial, era um mercado totalmente novo e um “oceano azul”, uma vez que tal mercado não existia antes. A introdução da Internet criou todo um novo “espaço” que poderia ser monetizado de diferentes formas.

A nova fronteira comercial de hoje é o reino biológico e o corpo humano, o “corpo como plataforma”. Em termos de mercado atuais, o corpo humano tem o potencial de mercado de um recurso natural. Você sabe como dizem que os dados são o novo petróleo? Se os dados são o novo petróleo, então somos todos hospedeiros de dados, e podemos esperar ser tratados como reservas de petróleo.

Aqui está como isso se aplica à imunidade natural. Uma pessoa saudável com imunidade natural pode ser uma pessoa feliz – mas para um empresário de biotecnologia de 2021, que vê o corpo humano como um mercado a ser dominado, ela é um verdadeiro insulto. Do ponto de vista desse empresário, substituir a imunidade natural padrão dos últimos milhões de anos por uma ferramenta totalmente artificial que requer uma “assinatura” durante toda a vida (veja “variantes” e “reforços”) é desejável.

Substituir a imunidade natural padrão por uma ferramenta artificial é um caso de muito sucesso de criação de um mercado completamente novo do nada (“mercado de imunidade artificial”). Uma assinatura vitalícia de imunidade artificial, com uma gama cada vez maior de “atualizações” necessárias, é muito mais lucrativa do que algumas lojas tradicionais de vitaminas. Melhor ainda, se a imunidade artificial destruir a imunidade natural, a fidelidade do cliente estará garantida.

Na época em que meu artigo sobre a guerra contra a imunidade natural foi publicado, ainda não estava claro se as vacinas da Covid tinham o potencial de minar nossa imunidade natural de amplo espectro. Parece que seria “bom para os negócios” em um mundo psicopata, mas eu realmente não queria pensar nessa direção, estava muito escuro. Desde então, entretanto, vários estudos foram publicados, e parecem alarmantes.

A complexidade da resposta imunológica inata

Antes de nos aprofundarmos nos estudos sobre vacinas de mRNA e seu impacto em nossa imunidade inata, vamos falar sobre como nossa resposta imunológica funciona de forma geral, em termos leigos. Nossa resposta imune inata é uma dança muito complexa e coordenada entre diferentes tipos de células e receptores.

Durante todo o dia, nosso corpo está lutando contra diferentes mutações (como cânceres em potencial, por exemplo), continuamente checando vírus adormecidos e assim por diante. Quando nossos corpos estão em seu estado natural, nosso sistema imunológico é treinado fazendo o trabalho. Assim como um atleta ou pianista melhora com exercícios, diferentes componentes do nosso sistema imunológico ficam melhores por serem expostos a diferentes patógenos e combatê-los com sucesso.

E assim como uma pessoa que resolveu um desafio específico fica mais experiente de forma geral e desenvolve a habilidade de resolver outros desafios de forma mais eficaz, nossa ampla resposta imunológica natural também “aprende” amplamente com a solução de desafios específicos.

Com as vacinas – que em um mundo bom poderiam ser um complemento útil ao arsenal médico, se projetadas e fabricadas com total integridade, testadas exaustivamente e usadas sem fanatismo – fica complicado. O problema é que a compreensão dos cientistas sobre a tremenda complexidade de como tudo em nosso corpo se comunica ainda é muito limitada.

Portanto, quando eles projetam uma solução para um problema específico – mesmo com a melhor das intenções – eles não consideram necessariamente como sua solução nos afeta como um todo. O mesmo se aplica às drogas, isso é apenas a natureza míope de como as coisas são feitas em nossa cultura. E quando adicionamos à mistura comércio, arrogância e Deus sabe mais o que, fica ainda mais complicado.

Como um tipo de produto médico, as vacinas (ou medicamentos) são tão boas ou tão deficientes quanto nosso estado geral de ciência e comércio. E como nossa cultura se inclina para “agir rápido e quebrar as coisas”, quando as vacinas são projetadas para resolver um problema específico, os resultados medidos se referem apenas a esse problema.

No mundo real, entretanto, somos organismos inteiros, e tudo em nossos corpos está interconectado e funciona junto. Portanto, se um medicamento ou uma vacina resolve um problema às custas de criar outro, então sofremos como um todo.

Vacina DTP: um “experimento natural” na África

Por exemplo, mesmo antes de as vacinas de mRNA aparecerem no mercado, em 2017, um estudo revelador foi publicado na EBioMedicine. O estudo era intitulado “A introdução da vacina contra difteria-tétano-coqueluche e da vacina oral contra a poliomielite entre bebês em uma comunidade urbana africana: um experimento natural”.

Nesse estudo, os pesquisadores observaram um “experimento natural” em que, por razões logísticas, um grupo de bebês recebeu a vacina DTP, e outro grupo de bebês não. Aqui está a conclusão deles:

A DTP foi associada a uma mortalidade 5 vezes maior do que a não vacinação. Nenhum estudo prospectivo mostrou efeitos benéficos aos sobreviventes à DTP. Infelizmente, a DTP é a vacina mais amplamente usada, e a proporção de quem recebe a DTP3 é usada globalmente como um indicador do desempenho dos programas nacionais de vacinação. Deveria ser preocupante que o efeito das vacinações de rotina na mortalidade por todas as causas não foi testado em estudos randomizados.

Todas as evidências atualmente disponíveis sugerem que a vacina DTP pode matar mais crianças por outras causas do que salva da difteria, tétano ou coqueluche. Embora a vacina proteja as crianças contra a doença-alvo, ela pode aumentar simultaneamente a suscetibilidade a infecções não relacionadas.

(ênfase minha)

Se eu fosse interpretar esse estudo filosoficamente, diria que a natureza é geralmente mais sábia do que os cientistas – e assim, quando os cientistas tentam superar a natureza pela força, sem serem humildes sobre como observam cuidadosamente o resultado dos seus esforços, e sem amor total pelas pessoas que deveriam ajudar – eles quase inevitavelmente subestimam a complexidade da situação e quebram algo – e então alguém paga o preço por sua visão limitada.

Sem total honestidade sobre as próprias limitações e sem amor genuíno pelas pessoas, a ciência se transforma em uma correia transportadora que machuca. E isso antes de adicionar o desejo de controle e lucros à mistura – e acontece que esse é o caso quase universalmente, não apenas na medicina.

Potenciais efeitos das vacinas da Covid na resposta imune inata

Agora, quando se trata das vacinas da Covid, nos encontramos em um território ainda mais aventureiro, pois o produto é novo e experimental. Para que a vacina de mRNA entre no corpo e seja permitida pelo corpo fazer o que foi projetada para fazer no mundo ideal, a reação imunológica natural do corpo ao mRNA estranho precisa ser desligada – caso contrário, ele atacará o invasor na entrada e voilà.

Assim, com a tecnologia atual, o “alarme de segurança” do corpo é desligado para permitir a entrada do mRNA. Mas claro, esse mesmo alarme de segurança geralmente é necessário para o corpo, e atualmente não se sabe que tipo de efeito de longo prazo desligá-lo no contexto dessas injeções tem sobre a imunidade de uma pessoa.

Se formos olhar para os estudos que estão começando a sair agora, os efeitos gerais de desligar o “alarme” podem ser, bem, alarmantes.

De acordo com um estudo de 2021 por uma equipe de cientistas da Holanda e da Alemanha (ainda não revisado por pares), intitulado “A vacina de mRNA BNT162b2 contra SARS-CoV-2 reprograma tanto as respostas imunes adaptativas quanto as inatas”, a vacina “modulou a produção de citocinas inflamatórias por células imunes inatas após estimulação com estímulos tanto específicos (SARS-CoV-2) quanto não específicos (viral, fúngico e bacteriano).”

A resposta das células imunes inatas aos ligantes TLR4 e TLR7/8 foi menor após a vacinação com BNT162b2, enquanto as respostas de citocinas induzidas por fungos foram mais fortes.

(ênfase minha)

O trabalho afirmava ainda o seguinte:

[…] nós observamos uma redução significativa na produção se IFN-α secretado após estimulação com poli I:C e R848 após a administração da segunda dose da vacina […] Isso pode dificultar a resposta imune inata inicial contra o vírus, já que foi demonstrado que defeitos em TLR7 resultam em aumento da suscetibilidade à Covid-19 em jovens do sexo masculino. […] Esses resultados coletivamente demonstram que os efeitos da vacina BNT162b2 vão além do sistema imunológico adaptativo e podem também modular as respostas imunológicas inatas.

(ênfases minhas)

Em outras palavras, a injeção da BNT162b2 modificou a resposta imune inata e aparentemente enfraqueceu certos aspectos dela, e ninguém realmente sabe ou entende os detalhes e as consequências disso a longo prazo.

Se você tem curiosidade sobre os detalhes técnicos de como o “alarme” é desligado, esse artigo da Scientific American explica que tipo de modificações são usadas nas vacinas de mRNA para enganar o corpo de modo que permita que o mRNA estranho entre.

O artigo apresenta dois cientistas: Karikó, vice-presidente sênior e chefe de terapias de substituição de proteínas de RNA da BioNTech, e Weissman, professor de pesquisa de vacinas na Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia, que receberam um Prêmio Revelação de US$ 3 milhões em Ciências da Vida pelo seu trabalho. O artigo diz que:

Quando o mRNA estranho é injetado no corpo, ele causa uma forte resposta imunológica. Mas Karikó e Weissman descobriram uma maneira de modificar o RNA para torná-lo menos inflamatório, substituindo uma molécula de “letra” de DNA por outra.

Aqui está como os próprios pesquisadores explicam o mecanismo em um estudo intitulado “Supressão do reconhecimento do RNA por receptores do tipo Toll: o impacto da modificação de nucleosídeos e a origem evolutiva do RNA”:

O DNA e o RNA estimulam o sistema imunológico inato de mamíferos por meio da ativação de receptores do tipo Toll (TLRs) […] Nós mostramos que os sinais de RNA por meio dos TLR3, TLR7 e TLR8 humanos, mas incorporação de nucleosídeos modificados m5C, m6A, m5U, s2U ou pseudouridina abalam a atividade.

(grifo meu)

Ativação de patógenos previamente dormentes ou controlados?

Existem estudos recentes que abordam os efeitos clínicos de receber as vacinas da Covid na imunidade ampla das pessoas? Existem alguns. Esse estudo, intitulado “Reativação do vírus da hepatite C após a vacinação contra Covid-19 – Um relato de caso”, mereceu ser citado em detalhes:

Materiais e métodos: Aqui, relatamos um caso de uma paciente de 82 anos com demência que foi admitida em uma casa de repouso na Holanda. Após a vacinação com a vacina da Covid-19, foram realizados exames físicos e laboratoriais.

Resultados: Ela teve uma reativação da infecção por hepatite C após a vacinação com a vacina contra Covid-19 baseada em mRNA da Pfizer-BioNTech. Essa reativação se manifestou com icterícia, perda de consciência, coma hepático e morte.

Conclusão: Essa reativação do vírus da hepatite C após a vacinação com a vacina da Covid-19 da Pfizer-BioNTech sugere uma necessidade de consideração crítica de indivíduos com infecção VHC anterior e considerados para vacinação contra Covid-19.

Em outras palavras, ela faleceu em decorrência de uma infecção de hepatite C que, segundo os pesquisadores, se ativou após ela receber a injeção. Embora ela felizmente tenha vivido uma vida longa e falecido aos 82 anos, ninguém sabe quanto tempo ela teria vivido se não tivesse recebido a injeção. É tão simples como “ninguém sabe”, e não parece que nossos líderes se importem em se certificar de que isso seja estudado exaustivamente antes de impor o produto a todos.

Outro estudo, intitulado “Reativação do vírus zoster da varicela e vacinas de mRNA como gatilho”, fala sobre a reativação do vírus zoster após as vacinas de mRNA. Ele afirma o seguinte:

O mecanismo patogênico sugerido foi a linfopenia induzida e o comprometimento funcional dos linfócitos, principalmente das células T CD8+ e das células killer naturais. No que diz respeito às vacinas da Covid-19, postula-se que, como produto de uma mudança massiva de células CD8+ virgens, as células CD8+ específicas para o VZV não são temporariamente capazes de controlar o VZV. A questão de por que a reativação do VZV ocorre quase que exclusivamente com vacinas da Covid-19 baseadas em mRNA e não com vetor viral ou vacinas da Covid-19 inativadas permanece sem resposta.

(ênfase minha)

E, finalmente, nessa entrevista extremamente informativa no The Highwire, o Dr. Ryan Cole fornece uma boa explicação dos mecanismos potenciais de imunossupressão como resultado das vacinas da Covid. Ele também menciona suas observações a respeito de uma tendência alarmante de cânceres antes sob controle que perdem a remissão após a administração de vacinas da Covid.

Em outra palestra, o Dr. Cole vai além no que ele acredita ser um grande aumento em casos de câncer pós-vacinação, com base nos resultados que ele está vendo em seus laboratórios.

Conclusão

Infelizmente, parece que as vacinas da Covid podem estar comprometendo nossa imunidade inata de amplo espectro, pelo menos em algum grau – e eu gostaria que alguém com consciência tivesse examinado isso muito bem antes de injetar o produto em bilhões de corpos. Por que? Porque apesar do que os proponentes da Quarta Revolução Industrial pensam de nós, somos seres humanos, não plataformas comerciais.

Autora: Tessa Lena

Tessa Lena é uma musicista de opinião forte que mora em Nova York. Ela é pianista e cantora, nascida e criada em Moscou. Tessa tem um blog, Tessa Fights Robots, e também um Substack, também chamado de Tessa Fights Robots, onde ela escreve sobre ser humano em um mundo de tecnologia, Big Data e pessoas que parecem máquinas.

Tradutor: Daniel Peterson

Esse texto é uma tradução do texto originalmente escrito por Tessa Lena em 03 de dezembro de 2021 para o site do Dr. Mercola.

O texto original, em inglês, foi originalmente publicado em:

Devido à censura recente relacionada à Covid-19, o Dr. Mercola tem removido todo o conteúdo do seu site após 48 horas e liberado suas publicações originais de restrições de direitos autorais.

É possível encontrar cópias do texto original na Internet pesquisando com o Google, o DuckDuckGo ou o Brave Search.

Uma cópia em PDF, que eu baixei do site do Dr. Mercola enquanto o texto original ainda estava disponível, pode ser consultada aqui.

Gostou? Que tal compartilhar?

Comentários

Sobre

Propagando ideias de liberdade.

Autor

Anúncio

Apoie

Ajude este site tornando-se um patrocinador, agradeço qualquer contribuição!

Padrim

Padrim