Cabeça Livre

Narrativa da pandemia sofre uma reviravolta radical

Resumo da história:

  • Nos últimos dias, a narrativa da pandemia passou por um número notável de inversões
  • Em 9 de janeiro de 2022, a diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky, enviou um tuíte dizendo “Devemos proteger as pessoas com comorbidades da forma grave da Covid-19”, em outras palavras, proteção focada, que é o que dezenas de milhares de médicos pedem desde a criação da Declaração de Great Barrington em outubro de 2020
  • 10 de janeiro de 2022, Walensky admitiu que as vacinas da Covid não podem impedir a transmissão
  • O CDC agora está dizendo que você não deve testar novamente depois de se recuperar da Covid, pois o PCR pode fornecer falsos positivos por até 12 semanas após a resolução da infecção. Também estão reduzindo a exigência de isolamento de 10 para apenas 5 dias – provavelmente porque a economia em crise está prejudicando o índice de aprovação do presidente Biden, então eles precisam que as pessoas trabalhem
  • A narrativa também está mudando sobre o que é um caso de Covid e como as mortes são contadas. Walensky recentemente admitiu que cerca de 40% dos “pacientes com Covid” testaram positivo, mas não apresentam sintomas e estão hospitalizados por outra causa. Ela também prometeu fornecer dados sobre quantas pessoas realmente morreram “de” Covid e quantas morreram “com” Covid

Como observado pelo Dr. Ron Paul no Liberty Report de 10 de janeiro de 2022 acima, as autoridades dos Estados Unidos de repente começaram a mudar de tom em relação à Covid e às vacinas da Covid.

“A oposição à nossa posição está começando a acordar”, diz Paul, enquanto alguns pedaços de verdade estão começando a ser reconhecidos. A boa notícia, diz Paul, é que “talvez algumas das coisas que eles estão dizendo não sejam muito precisas, e talvez o que temos dito esteja mais próximo da verdade, e talvez eles estejam começando a reconhecer isso”.

Diretora do CDC agora pede proteção focada

De fato, nos últimos dias, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA fizeram um número notável de reviravoltas, invertendo completamente a direção em vários pontos da narrativa.

Por exemplo, em uma entrevista à CNN em 10 de janeiro de 2022, a diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky, de fato admitiu que “o que [as vacinas COVID] não podem mais fazer é impedir a transmissão”, enquanto antes a narrativa era que, se você recebesse a vacina, não tinha mais com que se preocupar. Em julho de 2021, o presidente Biden prometeu que, se você fosse vacinado, “não pegaria Covid”. Bem, não era verdade. Muitos sabiam disso, mas foram censurados ao apontar.

Um dia antes, 9 de janeiro, Walensky também enviou um tuíte dizendo “Devemos proteger as pessoas com comorbidades da forma grave da Covid-19”, que é o que dezenas de milhares de médicos pedem desde a criação da Declaração de Great Barrington em outubro de 2020, que pedia proteção focada de indivíduos de alto risco, como idosos, em vez de lockdowns generalizados.

Foi recentemente revelado que o Dr. Anthony Fauci, diretor dos Institutos Nacionais de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) e seu ex-chefe, agora diretor aposentado dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), Francis Collins, conspiraram nos bastidores para silenciar a declaração. Por algum motivo, Fauci e Collins estavam decididos a empurrar os lockdowns que destroem a economia. Em um e-mail de 8 de outubro de 2020 para Fauci, Collins escreveu:

A proposta dos três epidemiologistas diferentões que se reuniram com o secretário parece estar recebendo muita atenção […] É preciso que seja publicada uma rápida e devastadora demolição das suas premissas […]

“Não se preocupe, eu tenho isso”, respondeu Fauci. Mais tarde, Fauci enviou a Collins links para artigos recém-publicados refutando a solução de proteção focada, incluindo um editorial na revista Wired e um artigo na The Nation, intitulado “Proteção focada, imunidade de rebanho e outras ilusões mortais”.

(saiba mais sobre esses e-mails: Ron Paul Liberty Report, Blaze Media, Daily Mail, Zero Hedge)

O CDC segue a estratégia política, não a ciência

Agora, de repente, Walensky está a bordo com a “ilusão mortal” de proteção focada. Sua reviravolta seria confusa não fosse pelo fato de que as medidas contra a Covid nunca foram para proteger o público de um vírus. Desde o início, a pandemia tinha objetivos políticos, e ainda tem.

A pressão agora está em provar que o governo Biden fez algum tipo de progresso com a pandemia. Biden fez muitas promessas, nenhuma das quais se concretizou, então agora o establishment político está se esforçando para apresentar algum plano que possa fazê-los parecer que estão chegando a algum lugar.

O problema é que agora os casos estão explodindo, quando uma campanha de vacina bem-sucedida deveria ter controlado a situação. Portanto, agora eles precisam de uma maneira de minimizar o número de casos, enquanto antes usavam todos os truques possíveis para aumentá-los, para assustar as pessoas e fazê-las cumprir as restrições da Covid e receber a vacina.

Nova orientação para testes visa reduzir números de casos

Uma maneira simples de reduzir os casos é limitar os testes, e essa é outra reviravolta que estamos vendo agora. O CDC agora está dizendo que você não deve testar novamente depois de se recuperar da Covid. Se você testar positivo, apenas fique em quarentena por cinco dias e não teste novamente para confirmar que você está negativo, pois o PCR pode fornecer falsos positivos por até 12 semanas após a resolução da infecção.

Bem, sabemos disso há quase dois anos já. Desde o início, especialistas alertavam que o PCR não pode ser usado para diagnosticar uma infecção ativa, pois pode detectar RNA de detritos virais mortos e não infecciosos.

As autoridades de saúde estão agora contando a história que essas revisões nas orientações são porque temos dois anos de dados, e eles estão apenas seguindo a ciência. Mas isso é pura bobagem, vendo como os dados nunca suportaram suas restrições da Covid em primeiro lugar.

A decisão do CDC de revisar as diretrizes de quarentena de 10 dias para apenas 5 dias também parece politicamente motivada. Pesquisas mostram que a economia é a principal preocupação dos eleitores norte-americanos agora, então eles precisam encontrar um equilíbrio entre a demolição desejada da economia e manter as pessoas no trabalho – pelo menos até o fim das eleições de 2022.

Em suma, suspeito que a maioria, se não todas as mudanças recentes nas orientações sobre a Covid, é para construir uma narrativa de que o governo Biden conseguiu controlar a pandemia e restabelecer uma economia em funcionamento. A mudança na narrativa é baseada na estratégia política, não na ciência.

CDC destaca o papel das comorbidades nas mortes por Covid entre vacinados

Como observado por Paul no Liberty Report acima, Walensky afirmou recentemente que 75% das mortes por Covid tinham quatro ou mais comorbidades: “Então, realmente, essas são pessoas que não estavam bem para começar”. A admissão viralizou e foi citada como prova de que a Covid é um risco letal para ninguém além dos mais doentes entre nós.

O CDC rapidamente interveio, esclarecendo que ela se referia a “75% das mortes por Covid entre aqueles que receberam a vacina da Covid”, não as mortes por Covid em geral. Você pode ver o segmento não editado acima, onde esse contexto é esclarecido. Ainda assim, sabemos que a Covid apresenta muito pouco risco para pessoas saudáveis ​​não vacinadas também, e que as comorbidades são um fator de risco primário independentemente do seu estado de vacinação contra Covid.

O risco de morte por Covid sempre foi baixo, vacinado ou não

Por exemplo, um estudo de 2020 descobriu que 88% dos pacientes hospitalizados com Covid na cidade de Nova York tinham duas ou mais comorbidades, 6,3% tinham uma condição de saúde subjacente e 6,1% nenhuma.

No final de agosto de 2020, o CDC publicou dados mostrando que apenas 6% da contagem total de mortes tinha a Covid-19 listada como a única causa de morte. Os 94% restantes tiveram uma média de 2,6 comorbidades ou condições de saúde preexistentes que contribuíram para suas mortes. Portanto, sim, a Covid é um risco letal apenas para os mais doentes entre nós, bem como Walensky disse, mas isso é verdade quer você esteja “vacinado”, quer não.

Quanto ao estudo que Walensky discutiu naquele segmento do “Good Morning America”, ele descobriu que dos 1,2 milhão de indivíduos vacinados contra Covid, apenas 0,0033% morreram de Covid entre dezembro de 2020 e outubro de 2021. (E desses, 77,8% tinham quatro ou mais comorbidades.) Este estudo, diz Walensky, evidencia que a vacina contra Covid faz maravilhas para reduzir o risco de morte.

Mas será mesmo? Lembre-se de estudos que mostram que a taxa de mortalidade por infecção não institucionalizada é, em média, apenas 0,26% para começar, e pessoas com menos de 40 anos têm apenas 0,01% de chance de morrer de Covid.

Quando estamos falando de uma fração de um ponto percentual de risco, estamos falando de um risco próximo do zero estatístico. Então, reduzir o risco de morte de 0,01% para 0,0033% realmente se traduz em algo que vale a pena? E, mais importante, essa redução vale os riscos envolvidos em tomar a vacina?

Claramente, não é uma decisão livre de riscos. A OneAmerica, uma companhia nacional de seguro de vida mútuo, alertou recentemente que as mortes por todas as causas entre os norte-americanos em idade ativa (18 a 64 anos) aumentaram 40% em relação ao normal pré-pandemia, e não podem ser atribuídas à Covid.

Então, o que está causando essas mortes? Que coisa potencialmente mortal dezenas de milhões de norte-americanos fizeram em 2021 que nunca fizeram antes? Vou deixar você refletir se a afirmação de Walensky de que a vacina da Covid está salvando vidas é uma afirmação precisa.

CDC admite que grande parte dos “pacientes com COVID” não são

Em outra recente aparição na mídia, Walensky afirmou que:

Em alguns hospitais com os quais conversamos, até 40% dos pacientes que estão dando entrada com Covid-19 não dão entrada porque estão doentes com Covid, mas porque deram entrada por alguma outra coisa e tiveram […] Covid ou a variante Omicron detectada.

Isso, novamente, é algo que temos destacado desde o início da pandemia. A maioria dos chamados “pacientes com Covid” simplesmente não era, e ainda não é. Eles são hospitalizados por algo completamente diferente e, por acaso, obtêm um resultado positivo no teste feito na admissão – o que muito possivelmente é um falso positivo. De qualquer forma, voila, eles são pacientes com Covid, mesmo que estejam hospitalizados por uma perna quebrada ou um ataque cardíaco.

Conforme observado pela Delta News TV, “Comentários como esses lançaram dúvidas sobre a gravidade do atual surto de Covid, até mesmo quando a Suprema Corte considera desafios legais aos amplos mandatos para o setor privado de Biden sobre essa mesma questão”.

A pandemia política está na sua agonia final?

Em uma postagem em seu blog de 10 de janeiro de 2022, Jeff Childers, advogado, e presidente e fundador do escritório de advocacia Childers, apresenta uma hipótese de por que podemos estar olhando para o fim da pandemia, já que o governo Biden “não tem alternativa razoável a não ser encerrar tudo isso nos próximos 60 dias ou algo assim.”

Há uma dinâmica política interessante se formando, uma espécie de controle de vício político que pode estar levando a política federal contra Covid em direção à autenticidade e ao fim da pandemia […] muita realidade está surgindo ultimamente.

Ele aponta como um juiz federal recentemente ordenou que a Administração de Alimentos e Medicamentos (Food and Drug Administration, FDA) dos EUA liberasse todos os dados da vacina da Covid da Pfizer que a agência queria 75 anos para liberar. A maior parte desses dados agora deve ser entregue em 1º de março de 2022, o dia do Discurso sobre o Estado da União de Biden. Childers suspeita que os documentos da Pfizer conterão muita forragem contra-narrativa e detalhes politicamente embaraçosos.

Por que estamos vendo uma reviravolta na narrativa agora

Biden precisa de boas notícias em seu Discurso sobre o Estado da União, pois será sua última chance de “ajudar a mover o ponteiro de volta para o azul”, e a forma como ele pode fazer isso é declarando o fim da pandemia. Ele pode então alegar ser o grande libertador que acabou com as medidas da pandemia para o bem de todos.

Se gerenciarem bem isso, eles podem dar à sua base eleitoral e aos agentes de mídia bajuladores todas as pautas necessárias para aumentar as perspectivas dos democratas para as eleições de meio de mandato.

Mas para conseguir essa reviravolta com alguma aparência de credibilidade, eles precisam começar a reduzir os números de casos agora, e é exatamente isso que estamos vendo. Por exemplo, o CDC mudou recentemente suas diretrizes para que você não precise se testar novamente depois de se recuperar da Covid, para que não haja mais falsos positivos de pessoas recuperadas.

A política oficial da Flórida agora é testar apenas indivíduos de alto risco e aqueles que estão sintomáticos. Childers aponta que o Sun Sentinel, de inclinação esquerdista, até publicou um artigo destacando o fato de que, apesar do aumento do número de casos, a Flórida tem a segunda menor taxa de mortalidade por Covid do país, perdendo apenas para o Alasca escassamente povoado. “Que força incrivelmente poderosa poderia fazer o Sun Sentinel minimizar a pandemia assim?” ele pergunta.

Será que finalmente teremos uma contagem de mortes mais precisa?

O CDC também parece pronto para mudar a definição de morte por Covid para o que deveria ter sido o tempo todo. Childers observa:

Fox News […] Bret Baier […] perguntou [a Walensky] “quantas das 836.000 mortes nos EUA ligadas à Covid são DE COVID ou quantas são COM COVID?”

A diretora Walensky disse […] “esses dados serão divulgados”. Até cerca de 10 minutos atrás, o CDC dizia que não tinha como rastrear esse tipo de informação […] Mas agora, aparentemente, o CDC planeja divulgar informações sobre mortes de e com. O que você quer apostar que eles irão REDUZIR o total de mortes por Covid em breve? Por muito.

Eles também estão começando a contar com precisão apenas aqueles que estão realmente doentes com Covid, em vez de incluir pessoas hospitalizadas por outros motivos que por acaso testaram positivo.

Ontem, a governadora de Nova York, Hochul, anunciou que quase METADE dos pacientes estão hospitalizados por “motivos que não a Covid”, dispersando o cadáver apodrecido da Narrativa.

Você deve se lembrar que na semana passada ela ordenou que os hospitais começassem a detalhar os números reportados e mostrar quantas pessoas REALMENTE estão doentes com Covid versus apenas testaram positivo no hospital. Estamos gritando sobre a contagem em excesso de hospitalizações há dois anos e eles perceberam só agora?

Mesma mudança na narrativa vista na Europa

A mesma mudança repentina na narrativa pode ser vista na Europa. Childers continua:

Ontem, o Guardian UK publicou uma matéria intitulada “Acabem com a vacinação em massa e convivam com a Covid, diz ex-chefe da força-tarefa de vacinas”. Ela diz que o Dr. Clive Dix – ex-diretor da força-tarefa de vacinas do Reino Unido – pediu uma “grande reavaliação” da estratégia contra a Covid do Reino Unido, com efeito revertendo a abordagem dos últimos dois anos e retornando a uma “nova normalidade”.

Chocando os núcleos dos frequentemente difamados autores da Declaração de Great Barrington, o Dr. Dix – sem ser cancelado – disse o seguinte:

“Precisamos analisar se usamos a atual campanha de reforço para garantir que os vulneráveis estejam protegidos, se isso for necessário […] A vacinação em massa de toda a população no Reino Unido deve acabar agora.” Acabar com a vacinação em massa? De repente, essa ideia pode ser discutida na mídia corporativa? Uau.

Em uma entrevista ao [Daily Telegraph][23] em 3 de janeiro de 2022, o professor Andrew Pollard, chefe do Comitê de Vacinação e Imunização do Reino Unido que ajudou a criar a vacina da Oxford-AstraZeneca, também fez uma declaração anteriormente proibida: “Não podemos vacinar o planeta a cada quatro ou seis meses”, ele disse. “Não é sustentável, nem acessível.” E, como Dix, Pollard não foi cancelado, censurado ou desplataformado.

Em 11 de janeiro de 2022, a Bloomberg também reportou que “reguladores da União Europeia alertaram que doses frequentes de reforço contra a Covid-19 podem afetar adversamente a resposta imune e podem não ser viáveis. Repetir doses de reforço a cada quatro meses pode eventualmente enfraquecer a resposta imune e cansar as pessoas, de acordo com a Agência Europeia de Medicamentos”.

Marco Cavaleri, chefe da estratégia de vacinas da EMA, disse durante uma coletiva de imprensa de 11 de janeiro de 2022:

Embora o uso de reforços adicionais possa fazer parte dos planos de contingência, vacinações repetidas em intervalos curtos não representam uma estratégia sustentável de longo prazo. [Reforços] podem ser feitos uma vez, ou talvez duas, mas não é algo que podemos pensar que deve ser repetido constantemente. Precisamos pensar em como podemos fazer a transição do atual cenário de pandemia para um cenário mais endêmico.

Nesse mesmo dia, o Grupo Técnico Consultivo da Organização Mundial da Saúde sobre Composição de Vacinas da COVID-19 (TAG-CO-VAC) também emitiu uma declaração dizendo que “uma estratégia de vacinação baseada em repetidas doses de reforço da composição original da vacina é improvável que seja apropriada ou sustentável”.

Eles também afirmaram que vacinas contra Covid que realmente previnam a infecção e a transmissão precisam ser desenvolvidas. O timing de todas essas declarações não é nada senão notável. Mostra o quão coordenada é essa narrativa plandêmica, em todo o mundo.

Juíza Sotomayor é chamada de mentirosa

Talvez o melhor exemplo de que a narrativa está passando por uma revisão radical, diz Childers, é a Sonia Sotomayor, juíza da Suprema Corte, sendo checada e acusada de mentirosa pelo The Washington Post:

Você deve se lembrar de que Sotomayor disse com confiança aos advogados durante a argumentação oral na sexta-feira que “100.000” crianças estavam em cuidados intensivos e em respiradores com Omicron. Os advogados não a desafiaram, embora não haja tantos leitos de UTI em todo o país.

Mas no sábado – no dia seguinte! – o Washington Post publicou um artigo intitulado “A falsa alegação de Sotomayor de que ‘mais de 100.000’ crianças estão em ‘estado grave’ com Covid.” FALSA ALEGAÇÃO?? O que?? Veja como o artigo de checagem de fatos terminou:

“É importante que os juízes da Suprema Corte tomem decisões com base em dados corretos […] Mas Sotomayor, durante uma argumentação oral, ofereceu um número – 100.000 crianças em ‘estado grave […] muitas em respiradores’ – que é absurdamente alto. Ela ganha quatro Pinóquios.” Pode ser inédito para um grande jornal liberal acusar uma juíza liberal. O que poderia estar acontecendo? […]

Parece haver UM MONTE de impulso repentino surgindo na direção de acabar com a pandemia. Se eu estiver certo, veremos ainda mais disso, e muito rapidamente, já que Biden precisa encerrar a tempo de declarar vitória em 1º de março. O que explicaria por que eles atrasaram o Discurso sobre o Estado da União em um mês. Eles precisam de tempo para encerrar a pandemia”.

Autor: Dr. Joseph Mercola

Dr. Joseph Mercola é o fundador do site Mercola.com. Médico osteopata, autor de best-sellers e ganhador de vários prêmios no campo da saúde natural, sua visão principal é mudar o paradigma da saúde moderna, fornecendo às pessoas um recurso valioso para ajudá-las a assumir o controle da sua saúde.

Tradutor: Daniel Peterson

Esse texto é uma tradução do texto originalmente escrito pelo Dr. Joseph Mercola em 19 de janeiro de 2022.

O texto original, em inglês, foi originalmente publicado em:

Devido à censura recente relacionada à Covid-19, o Dr. Mercola tem removido todo o conteúdo do seu site após 48 horas e liberado suas publicações originais de restrições de direitos autorais.

Recentemente, ele passou a mover os textos removidos do seu site para o seu Substack. Para lê-los lá, é necessário pagar uma assinatura.

Também é possível encontrar cópias do texto original na Internet pesquisando com o Google, o DuckDuckGo ou o Brave Search.

Uma cópia em PDF, que eu baixei do site do Dr. Mercola enquanto o texto original ainda estava disponível, pode ser consultada aqui.

Gostou? Que tal compartilhar?

Comentários

Sobre

Propagando ideias de liberdade.

Autor

Anúncio

Apoie

Ajude este site tornando-se um patrocinador, agradeço qualquer contribuição!

Padrim

Padrim