Cabeça Livre

Covid-19: o problema do alarmismo pandêmico, em um monólogo épico

Melhor prevenir do que remediar, certo? Bem, não. E Bill Maher explicou perfeitamente por quê.

Será Bill Maher, o comediante liberal e apresentador da HBO, um libertário enrustido? Pode parecer improvável, mas, pelo menos, Maher se posicionou bem contra o alarmismo em relação à Covid-19 em um monólogo épico na sexta-feira 16 de abril. Ele chamou a atenção para a retórica enganosa empregada por meios de comunicação e autoridades de saúde pública que, para fazer com que as massas façam o que eles acham melhor, exageraram e distorceram os fatos dessa pandemia.

“Não me engane quando se trata de minha saúde”, disse Maher. “Durante o ano passado, a pandemia de Covid levou o establishment médico, a mídia e o governo a tomar uma abordagem assustadora e direta para fazer com que o público cumprisse suas recomendações.”

Como se estivesse acompanhando a reportagem do próprio Jon Miltimore da FEE, o comediante citou uma pesquisa de pesquisadores de Dartmouth que analisou a cobertura da mídia dos Estados Unidos e concluiu que era desproporcionalmente negativa, mesmo em relação à natureza inerentemente negativa da cobertura da pandemia. Os pesquisadores encontraram que gritantes 91 por cento das notícias nos meios de comunicação dos EUA eram negativas, em comparação com 54 por cento nos meios de comunicação fora dos EUA e 65 por cento dos artigos científicos acadêmicos.

“A negatividade da grande mídia dos EUA é notável mesmo em áreas com desenvolvimentos científicos positivos, incluindo reabertura de escolas e testes de vacinas”, conclui o estudo. “As notícias que relatam aumento nos casos de Covid-19 superam em número as notícias que relatam diminuição nos casos por um fator de 5,5, mesmo durante os períodos em que os novos casos estão diminuindo.”

Melhor prevenir do que remediar, certo? Bem, não. E Maher explicou perfeitamente por quê.

“Quando todas as nossas fontes de informação médica têm uma agenda para nos enganar, sim, você acaba com uma população mal informada, inclusive na esquerda”, lamentou o comediante. “Em uma pesquisa recente da Gallup, os democratas se saíram muito pior do que os republicanos em informar a resposta correta para a pergunta fundamental: quais são as chances de alguém que pega Covid precise ser hospitalizado? Quase 70% dos democratas estão completamente fora da realidade nessa questão chave e também têm uma visão muito exagerada do perigo da Covid e da taxa de mortalidade infantil. Tudo isso explica porque hoje os estados com a maior porcentagem de escolas que ainda estão fechadas são todos estados azuis.”

De fato, os norte-americanos em geral superestimam amplamente o risco de hospitalização por Covid-19. E embora a maioria dos jovens americanos enfrente um risco estatisticamente insignificante de morrer pelo coronavírus, que é mais mortal para os idosos, as pessoas de 18 a 24 anos de idade são o subgrupo que mais tem medo de retomar a vida social normal.

Maher destacou o risco real de hospitalização do coronavírus, que é realmente sério, mas não é uma ameaça tão grave quanto sugere a cobertura da mídia. Ele criticou a atmosfera em que qualquer pessoa que aponta essas realidades é acusada de minimizar a crise ou negacionismo conspiratório.

“Esses são apenas fatos”, concluiu o comediante. “Eu sei que é irresponsável da minha parte dizê-los.”

O sarcasmo de Maher é justificado, porque o alarmismo não é apenas extremamente cauteloso. É prejudicial por si só.

Questões complexas de políticas públicas requerem trade-offs (“perdemos nisso, mas ganhamos nisso”). As pessoas precisam de dados sólidos e confiáveis ​​para que possam tomar decisões informadas. Que medidas de segurança devo tomar? De que oportunidades econômicas devo abrir mão? Com que nível de risco me sinto confortável?

As pessoas não podem tomar a decisão certa nessas questões complexas quando sua percepção de risco está sendo distorcida por modelos ruins e sensacionalismo da mídia. O alarmismo acaba deixando as pessoas em pior situação do que se fossem apresentadas à imagem completa e honesta.

Como disse Maher: “Se você mente para as pessoas, mesmo por uma causa muito boa, você perde a confiança delas”. E uma vez que você perde a confiança das pessoas, você não pode fazer nada para ajudá-las.

Você pode assistir no vídeo a seguir ao monólogo completo de Maher:

Gostou? Que tal compartilhar?

Comentários

Sobre

Propagando ideias de liberdade.

Anúncio