Cabeça Livre

Perspectivas sobre a pandemia com o Dr. Peter McCullough

Resumo da história:

  • O Dr. Peter McCullough é um clínico, cardiologista e epidemiologista que alerta que as vacinas da Covid-19 não só estão falhando, como estão colocando vidas em risco
  • McCullough acredita que se as placas de segurança adequadas estivessem no lugar, o programa de vacinação contra a Covid-19 teria sido encerrado em fevereiro com base na segurança e no risco de morte
  • Em 22 de janeiro de 2021, 186 mortes já haviam sido relatadas após a vacinação contra a Covid-19 – mais do que o suficiente para atingir o sinal de preocupação com a mortalidade
  • Em sua prática, McCullough está observando uma série de síndromes neurológicas em pessoas que foram vacinadas, com sintomas que incluem cegueira, paralisia, dificuldade para engolir, dores de cabeça, zumbidos nos ouvidos, miocardite e outros mais
  • McCullough também menciona a fuga antigênica, ou imune, que ele acredita estar impulsionando a criação de variantes da Covid-19 e tornando a pandemia pior em vez de melhor

O Dr. Peter McCullough tem uma lista impressionante de credenciais – ele é clínico, cardiologista, epidemiologista e professor titular de Medicina no Texas A&M College of Medicine em Dallas e é o editor de duas revistas médicas e publicou centenas de estudos na literatura. Ele também está entre aquelas pessoas bravas e corajosas que falam sobre os perigos das vacinas contra a Covid-19, e colocam sua licença médica e futuro sustento em risco ao fazê-lo.

“Há uma caça acontecendo aqui que é muito perturbadora”, disse McCullough em um episódio de Perspectives on the Pandemic (em uma tradução livre, “Perspectivas sobre a pandemia”). Ele estava se referindo a conselhos médicos estaduais caçando médicos e ameaçando revogar suas licenças com base na disseminação de “desinformações” não identificadas.

“É absolutamente espantoso que isso esteja acontecendo em uma troca justa de ideias”, ele disse. O que o Dr. McCullough está compartilhando que os poderes constituídos não querem que você ouça? É sobre vacinas contra a Covid-19 e, para resumir em uma frase, “Não está funcionando e está causando um dano tremendo.”

Eficácia e segurança das vacinas contra a Covid exageradas desde o início

Nos Estados Unidos, a Operação Warp Speed ​​é o esforço federal que acelerou o desenvolvimento de candidatas a vacinas contra a Covid-19 para o mercado. Plataformas de tecnologia de transferência de genes emergiram como as pioneiras, incluindo plataformas de DNA adenoviral ou plataformas de RNA mensageiro (mRNA) projetadas para entregar material genético ao corpo humano.

Uma vez que o mRNA é injetado, o corpo então pega o material genético e muda de alguma forma. Essas tecnologias tem sido estudadas há anos, na maioria dos casos sendo projetadas para substituir um gene defeituoso, o que poderia ser usado para o tratamento do câncer, por exemplo. Exceto que, historicamente, “todas falharam”, disse McCullough.

Em novembro de 2020, no entanto, a Pfizer, em uma joint venture com a alemã BioNTech, anunciou que sua vacina baseada em mRNA era “mais de 90% eficaz” em um ensaio de Fase 3. Porém, isso não significa que 90% das pessoas que tomem essa vacina estarão protegidas da Covid-19, um vez que essa afirmação se baseia na redução de risco relativo (RRR).

A redução de risco absoluto (RRA) para essa vacina é inferior a 1%. “Embora o RRR considere apenas os participantes que poderiam se beneficiar da vacina, a redução de risco absoluto (RRA), que é a diferença entre as taxas de ataque com e sem vacina, considera toda a população. RRAs tendem a ser ignoradas porque fornecem um tamanho de efeito muito menos impressionante do que RRRs”, pesquisadores escreveram no The Lancet Microbe em abril de 2021.

Apesar disso, as vacinas receberam autorização de uso emergencial. Ao dar a autorização emergencial – não a aprovação – a administração da vacina constituiu um ensaio de pesquisa, com os patrocinadores sendo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) e a Food and Drug Administration (FDA). De acordo com McCullough:

Nunca tivemos dois órgãos governamentais juntos como patrocinadores de um grande programa de pesquisa. […] Surpreendentemente, eles não tinham, e até hoje eles nunca montaram, um comitê externo de eventos críticos, um conselho externo de monitoramento de segurança de dados ou um comitê de ética humana. Eles tinham esses comitês, aliás, nos testes de registro, eles tinham, e eles são padrão.

Toda grande investigação clínica tem esses três comitês. De fato, eu presido muitos desses comitês para empresas farmacêuticas e para o National Institutes of Health. […] Os norte-americanos deveriam ter feito pelo menos semanalmente, se não mensalmente, avaliações de segurança para garantir aos norte-americanos que as vacinas são seguras.

Em março de 2021, McCullough estava preocupado

Inicialmente, disse McCullough, parecia que as vacinas experimentais poderiam ser seguras, e cerca de 70% de seus pacientes já haviam recebido uma em dezembro de 2020. Mas por volta de março de 2021, ele estava desconfortável com o que estava vendo. De 14 de dezembro de 2020 a 8 de março de 2021, mais de 92 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 foram administradas nos EUA.

Ele citou dados do banco de dados do Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS, “Sistema de Notificação de Reações Adversas a Vacinas”), que mostraram que, durante esse tempo, houve 1.637 notificações de morte de pessoas que haviam recebido uma vacina contra Covid-19. O CDC e o FDA disseram que nenhuma delas estava relacionada à vacina, mas, de acordo com McCullough, em 22 de janeiro de 2021, 186 mortes já haviam sido relatadas – mais do que o suficiente para atingir o sinal de preocupação com a mortalidade para interromper o programa.

“Com um programa deste tamanho, qualquer coisa acima de 150 mortes seria um sinal de alarme”, disse ele. Os EUA “atingiram 186 mortes com apenas 27 milhões de norte-americanos vacinados”. McCullough acredita que se as placas de segurança adequadas estivessem no lugar, o programa de vacinação contra a Covid-19 teria sido encerrado em fevereiro com base na segurança e no risco de morte.

Tal foi o caso em 1976, quando um programa de vacinação acelerada contra a gripe suína foi interrompido após uma estimativa de 25 a 32 mortes. No entanto, apesar de um número muito maior de mortes, a vacinação contra a Covid-19 continua. Em 6 de agosto de 2021, os dados do VAERS para a Covid-19 mostravam 12.791 mortes relacionadas às vacinas, de acordo com McCullough, e dezenas de milhares de visitas a hospitais e clínicas.

Em uma análise dos relatórios do VAERS de mortes relacionadas à vacina da Covid-19, pesquisadores descobriram que 86% das vezes nada mais poderia ter causado a morte, e nesses casos parece que a vacina foi a causa.

Os pesquisadores observaram: “A amostra contém apenas pessoas vacinadas no início do programa e, portanto, é composta principalmente por aqueles que são idosos ou com condições de saúde significativas. Apesar disso, houve apenas 14% dos casos para os quais uma reação à vacina da Covid pôde ser descartada como um fator contribuinte para sua morte.”

Outras pesquisas mostram, afirmou McCullough, e este é um ponto muito importante que eu quero que você entenda e lembre: que 50% das mortes ocorreram 48 horas após receber a injeção, enquanto 80% ocorreram em uma semana. Uma pesquisa informal no Twitter, à qual 10.000 pessoas responderam, também perguntou se os respondentes conheciam alguém que morreu após receber uma vacina contra a Covid-19.

Doze por cento disseram que sim. “Quando as pessoas veem outras pessoas em seu círculo morrendo, você não consegue impedir esse tipo de hesitação orgânica contra a vacina da Covid”, disse McCullough. Outros efeitos adversos confirmados das vacinas da Covid incluem miocardite e coágulos sanguíneos.

Uma incrível violação da ética humana

Seu corpo reconhece a proteína spike nas vacinas da Covid-19 como estranha, então ele começa a fabricar anticorpos para protegê-lo contra a Covid-19 – ou assim diz a teoria. Mas há um problema. A proteína spike em si é perigosa e sabe-se que ela circula no seu corpo por pelo menos algumas semanas e, mais provavelmente, meses – talvez muito mais – após a vacinação contra Covid.

Em suas células, a proteína spike danifica vasos sanguíneos e pode levar ao desenvolvimento de coágulos sanguíneos (fontes: aqui e aqui). Ela pode ir para o cérebro, glândulas suprarrenais, ovários, coração, músculos esqueléticos e nervos, causando inflamação, cicatrizes e danos em órgãos com o passar do tempo.

Em sua prática, McCullough está observando uma série de síndromes neurológicas em pessoas que foram vacinadas, com sintomas que incluem cegueira, paralisia, dificuldade para engolir, dores de cabeça, zumbidos nos ouvidos, miocardite e outros mais. Outra pesquisa sugere que o coração, o cérebro, o sistema imunológico e o sistema hematológico podem estar em maior risco com as vacinas.

Crianças, que apresentam risco extremamente baixo para a Covid-19, não recebem nenhum benefício da vacina, assim como aqueles que já tiveram Covid e desenvolveram imunidade natural também não, disse McCullough, chamando a situação de “uma catástrofe em tempo real” que viola a ética humana:

Temos visto uma incrível violação da ética humana. Ninguém, para um produto experimental, em nenhuma circunstância, deveria receber qualquer pressão, coerção ou ameaça de represália por não participar da pesquisa.

A vacina da Pfizer/BioNTech para a Covid-19 recebeu a aprovação do FDA em 23 de agosto de 2021, mas antes disso sorteios de milhões de dólares, ensino grátis, bônus e outros subornos como cerveja e rosquinhas grátis foram oferecidos para atrair as pessoas a se vacinarem. Quando isso não funcionou, os mandatos aumentaram, inclusive para muitos profissionais de saúde, e centenas de faculdades dos EUA também estão exigindo que os alunos sejam vacinados para frequentarem as aulas.

Pessoas vacinadas estão pegando Covid, de qualquer forma

Reportagens da mídia continuam se referindo à pandemia como uma crise de não vacinados, o que é simplesmente impreciso, uma vez que a Covid-19 continua afetando e se espalhando entre aqueles que foram vacinados. Em 30 de julho de 2021, o Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade (MMWR) do CDC publicou detalhes de um surto de Covid-19 que ocorreu no condado de Barnstable, Massachusetts – 74% dos casos ocorreram em pessoas completamente vacinadas.

Os chamados “surtos de infecções”, que antes eram conhecidos como falhas vacinais, foram relatados pelo CDC muito antes, entretanto, inclusive no MMWR deles de 28 de maio de 2021, que documentou 10.262 surtos de infecções relatados de 1º de janeiro a 23 de abril de 2021, em 46 estados dos EUA.

Isso, eles acreditavam, era “provavelmente uma subcontagem substancial”, mas em vez de continuar a avaliar a situação, eles pararam de monitorar a maioria das infecções por Covid-19 entre as pessoas vacinadas:

Desde 1º de maio de 2021, o CDC fez a transição de monitorar todos os surtos de infecções reportados para a vacina da Covid-19 para investigar apenas aqueles entre os pacientes que estão hospitalizados ou morrem, concentrando-se, assim, nos casos de maior significância clínica e para a saúde pública.

McCullough também menciona a fuga antigênica, ou imune. Se você colocar organismos vivos como bactérias ou vírus sob pressão, por meio de antibióticos, anticorpos ou quimioterápicos, por exemplo, mas não os matar completamente, você pode inadvertidamente estimular sua mutação em cepas mais virulentas. Aqueles que escapam do seu sistema imunológico acabam sobrevivendo e selecionando mutações para garantir sua sobrevivência.

O vírus da Covid-19 tem uma alta capacidade para mutação, mas, se o vírus não estiver sob pressão, não necessariamente verá a necessidade de selecionar mutações para, por exemplo, se tornar mais infeccioso. Mas se você colocá-lo sob pressão, como está ocorrendo durante a campanha de vacinação em massa, isso pode mudar. McCullough afirmou:

Se continuarmos com essas injeções, haverá uma variante após a outra […] Estamos brincando com fogo aqui com essa vacinação em massa […] Minha interpretação como clínico e cardiologista – sou um epidemiologista treinado, já fiz literalmente um ano de intensa pesquisa e treinamento em Covid – vou dizer a vocês, acho que este surto de Delta que temos agora é o produto da vacinação em massa.

Se não tivéssemos a vacina, estaríamos melhor. Já tínhamos tratado isso a um nível muito aceitável.

Como romper o transe

McCullough acredita que muitos profissionais de saúde e o público dos EUA estão em um transe de vacinação. Desafia a lógica e o senso comum como os funcionários públicos e executivos de hospitais podem ver as vacinas falhando, podem ver o aumento dos casos de efeitos adversos e mortes e, ainda assim, emitir cada vez mais mandatos de vacinas ou recomendar a vacina a grupos para os quais ela claramente não deveria ser recomendada, como mulheres grávidas. McCullough compara isso a uma forma de psicose ou neurose de grupo.

O público dos EUA, no entanto, viu tanto medo, hospitalização e morte durante a pandemia que pode ter se preparado para aceitar baixas associadas às vacinas. Ainda assim, um número considerável de norte-americanos não está sendo enganado.

“Estamos neste ponto de pressão e acho que agora, ao falar com norte-americanos nos meus círculos, eles estão prontos para dar um tempo”, disse McCullough. Se isso significa tirar um ano sabático do trabalho ou adiar a escola por um ano, muitos norte-americanos estão dispostos a fazer isso para evitar a vacinação. “A única maneira de se manter saudável agora é ficar longe dessa vacina. Se você pegar Covid-19, vá para uma dessas redes de tratamento e obtenha imunidade natural do outro lado.”

McCullough é um defensor do tratamento precoce da Covid-19 e acredita que as opções de tratamento foram suprimidas para permitir a vacinação em massa:

Acho que suprimimos completamente qualquer forma de tratamento ou ajuda às pessoas para promover a vacina. Agora a vacina não funciona completamente e é, francamente, perigosa. Reduzimos a quase uma mensagem: tome a vacina ou então […] É o momento mais assustador para ser norte-americano e, graças a Deus, metade dos norte-americanos não tomaram.

Teremos que ver como isso vai se parecer. Acho que o próximo mês ou perto disso será incrivelmente interessante e será agourento.

McCullough acredita que, eventualmente, as pessoas vão sair do transe da vacinação e perceber que a resposta não são essas injeções, enquanto o tratamento da pandemia, incluindo vacinações em massa, se tornará um curso de violação da ética humana e do código de Nuremberg. Com o medo, o isolamento, as hospitalizações e as mortes ainda ocorrendo, no entanto, pode levar anos até que a névoa seja dissipada.

Autor: Dr. Joseph Mercola

Dr. Joseph Mercola é o fundador do site Mercola.com. Médico osteopata, autor de best-sellers e ganhador de vários prêmios no campo da saúde natural, sua visão principal é mudar o paradigma da saúde moderna, fornecendo às pessoas um recurso valioso para ajudá-las a assumir o controle da sua saúde.

Tradutor: Cabeça Livre

Esse texto é uma tradução do texto originalmente escrito pelo Dr. Joseph Mercola em 10 de setembro de 2021.

O texto original, em inglês, foi originalmente publicado em:

Devido à censura recente relacionada à Covid-19, o Dr. Mercola tem removido todo o conteúdo do seu site após 48 horas e liberado suas publicações originais de restrições de direitos autorais.

É possível encontrar cópias do texto original na Internet pesquisando com o Google, o DuckDuckGo ou o Brave Search.

Uma cópia em PDF, que eu baixei do site do Dr. Mercola enquanto o texto original ainda estava disponível, pode ser consultada aqui.

Gostou? Que tal compartilhar?

Comentários

Sobre

Propagando ideias de liberdade.

Anúncio

Apoie

Ajude este site tornando-se um patrocinador, agradeço qualquer contribuição!

Padrim

Padrim